Na escola de Imã Hussein (S.A)-I (especial para os primeiros dez dias de Moharam)

  • Código da notícia : 784336
  • Font : parstoday
Brief

Sempre surgem dúvidas sobre o principal motivo do levante do Imã Hussein (que a paz esteja com ele).

Se a causa principal foi tomar o governo ou criar mudanças na sociedade islâmica ou o Imã tinha nenhum outro método que a conciliação para chegar ao seu objetivo ou era para que as pessoas não testemunhassem o assassinato, saques e o cativeiro da família do profeta.

Nesta série de vários capítulos, além de responder a essas perguntas, vamos analisar vários aspectos da vida de Imã Hussein.

A prática da verdadeira ética, sem dúvida, garante o bem-estar dos indivíduos e da sociedade. Um hadith aceite tanto por xiitas como sunitas recorda: "Um dia Imã Hussein, durante a sua infância, foi visitar o seu avô, o Profeta Mohammad (P.E.C. E). Ao vê-lo, o Profeta disse: “bem-vindos, o Hussein”. O adorno do céu e da terra”. Obi Bin Kab, um dos companheiros do Profeta (P.E.C. E) um dos escrivães da revelação, que estava sentado com o Profeta disse: “Ó Mensageiro de Deus, exceto você, há alguém que for o ornamento dos céus e da terra”? O Profeta contestou: "Juro por Deus, quem me nomeou como profecia, Hussein ocupa um lugar mais alto no céu e na terra". Logo disse "Hussein é a luz da orientação, o barco da salvação e um líder firme".  

A primeira e mais importante que pode dizer sobre as características de Imã Hussein (S.A) é que ele se manifestou o verdadeiro significado da palavra do "servo" de Deus. Em primeiro lugar, foi "Abodulá" (servo de Deus) e a sua devoção era evidente em todos os aspectos da sua vida, tanto em seu comportamento e em suas palavras. Não pensava em nada mais do que satisfazer a Deus e toda a sua paz e ira era dirigida a Deus.

Muitos anos, durante o mandato de Muavieh, garantiu a religião de Deus com paciência e quando sentiu que estava indo ao encontro do seu Senhor, na sua revolta contra Yazid, não hesitou em sacrificar suas vidas e seus entes queridos. A este respeito, Hussein disse: "Senhor, o que ganha, quem tenha perdido você e não perderá quem encontrou você?”.  

Aba Abdillah, conhecido como "Imã Hussein", revela o auge da sua devoção, mais sensível a oferecer seu sangue para completar a religião de Deus. No livro intitulado "As características do Imã Hussein (P)", observa-se: "Hussein é um símbolo de culto. Todos os mensageiros de Deus e os líderes infalíveis adornavam o seu Deus com sinceridade e amor, mas Hussein tinha uma devoção especial. Desde quando apareceu a luz da sua existência no ventre de sua mãe, a Fatima (S.A), mesmo quando a sua cabeça foi incorporado em uma lança, sempre e em toda lugar elogiava, glorificava e lembrava o Deus e estava sempre recitando os versículos do livro de Deus”.  

Imã Hussein (S.A) 25 vezes peregrinou a Meca de pá para realizar o hajj (peregrinação a Meca) e a cada dia rezava milhares de ciclos de Salat (oração). Ele amava tanto o Salat e o rezo de Deus que, mesmo na noite de Ashura, enquanto o inimigo queria atacar as tendas de Aba Abdellah Alhusein, o Imã pediu uma trégua para passar a noite adorando a Deus e realizando Salat até a madrugada. No caso de Karbala, durante a passagem das tribulações e dificuldades ao Imã Hussein (S.A) em que  as restrições tornaram-se mais dolorosas, se incrementaram a paciência e satisfação deste Imã a maior vontade divina e recordou: "Deus, estou feliz de agradá-lo”.  

Os desvios e as divergências que apareceram após a morte do Profeta (P.E.C.E) aumentaram com a passagem do tempo. Os governantes Omíadas, desde o governo de Osman, tinham tomado o domínio sobre o Levante, e no ano 41 da Hégira lunar, oficialmente, autoproclamaram como califados da comunidade islâmica. Com a chegada de Muawiya, o filho de Abu Sufyan, o maior inimigo do Profeta, ao poder entre a tribo de Quraysh casou mudanças drásticas dos valores do Islã  somente havia ficado um  nome desta religião, mesmo este nome depois da morte de Muawiya e a chegada de Yazid, foi questionado. Como, quando uma vez Yazid negando tudo, disse: "Não há céu e nenhuma revelação tinha sido descida”.  

Para consolidar o seu poder, Yazid quis tomar juramento de lealdade ao Imã Hussein (S.A) a todo o custo. Jurar a lealdade significava a expressar a intenção e disposição de obedecer à ordem e o comando do verdadeiro califa do Profeta e sacrificar sua vida no caminho certo para realizar suas ordens, mas jurar lealdade a uma pessoa como Yazid, mesmo que fosse fingimento, e com o objetivo de eliminar o risco e ameaça, significava autorizar a libertinagem de Yazid. Esta lealdade foi um compromisso para ser cumplice na matança de pessoas inocentes e prejudicar o prestígio e a dignidade do Islã, o que era impossível de aceitar por Imã Hussein (S.A). Então, quando Yazid queria sentar-se no lugar do Profeta (P.E.C. E) e proclamar-se como o líder político e religioso dos muçulmanos e, em geral, o governante do mundo do Islã, o Imã Hussein se recusou a dar a sua lealdade. De fato, ele não tinha mais escolha a não ser se levantar e denunciar o governo ilegítimo de Yazid.  

O Imã Hussein (S.A) da família do Profeta e o descendente e herdeiro do seu avô, dirigindo-se a Farazdaq, poeta árabe e disse: "Eles (os seguidores do yazid) deixaram de obedecer às ordens de Deus, o Clemente, e eles cometem atos de corrupção e de ter quebrado a Hudud (limites do comportamento aceitável e suas punições), bebem o vinho e confiscam as propriedades dos pobres em seu favor. Eu sou o homem privilegiado a levantar-se contra eles com o objetivo de ajudar a religião, a dignidade e a Sharia (lei islâmica), e Jihad no caminho de Deus”. Assim, o Imã enfrentou o Yazid. Mas esta resistência foi acompanhada por prudência e "racionalidade" para ser um exemplo para todos. Ao mesmo tempo, o Imã Hussein para que a sua divulgação seja mais eficaz, também o amalgamava com a "inocência" a fim de que o rosto dos tiranos sempre fique odiado ao longo da história. Por isso, o seu levante tornou-se imortal com o seu martírio e o cativeiro de sua família.  

A revolta do Imã Hussein (S.A) é o recorde do grande espírito de homens auto-formados e puros que se sacrificaram no caminho de Deus e nos faz lembrar da generosidade e compromisso. Um desses homens é Musilm Ibn Aqil. Ouvir o nome deste piedoso soldado do caminho de o correto é uma reminiscência de valor, coragem e bravura, por sua epopeia que foi um prelúdio do grande movimento de Ashura, e o mesmo foi o pioneiro do movimento do Senhor dos Mártires e o Embaixador da Revolução de Ashura.  

No ano 60 da Hégira lunar, Imã Hussein recebeu muitas cartas assinadas por moradores das cidades de Kufa e Basura, onde clamavam por ajuda contra a tirania de Yazid. O número dessas cartas chegou a mais de mil. O Imã, para fazer uma avaliação precisa da situação e verificar a lealdade do povo de Kufa, enviou o Muslem Ibn Aqil como seu representante. O Imã, que desfrutava de suficiente percepção política, sabedoria, virtude e a fé, disse: "Se as pessoas me juram a lealdade, portanto eu virei." Muslem ibn Aqeel mudou de Meca ao caminho da Kufa. Uma cidade propensa aos acidentes, cheias de aventura e com ideias diferentes, mas aparentemente estava calma, uma tranquilidade antes da tempestade. Com as boas-vindas dos muçulmanos, Muslem  se dirigiu a  casa de Mokhtar. As pessoas da cidade de  Kufa aceitaram a carta com emoção e acolheram com alegria e juraram a lealdade.  

Esta alegria não durou muito tempo. Yazid para manter o seu mandato, deu a governança de  Kufa a uma figura impura, chamado Ubaidullah ibn Ziyad, e ordenou-lhe para prender e assassinar Muslem Ibn Aqil.  O Ibn Ziad criou uma atmosfera de medo e intimidação, o que resultou em que as pessoas abandonassem o Muslem. Ele se escondeu na casa de Hani Bin Urwah, um dos grandes homens da Kufa e uma das figuras influentes do xiismo. Hani conhecia pessoalmente o Profeta (P.E.C. E) e tinha uma sublime devoção e lealdade para com os descendentes do Profeta do Islã.  

Em Kufa, todos fecharam as portas de suas casas ao Muslem Ibn Aqil, como estavam preocupados com a sua vida e segurança. Depois de vários dias de desespero, uma mulher chamada Toeeh ofereceu-lhe abrigo. O filho de Toeeh, um partidário de Ibn Ziyad, quando chegar a casa à noite e encontra o Muslem. Ele reportou isto ao Ibn Ziyad e os soldados invadiram a casa à noite. Muslem Ibn Aqil estava sozinho diante de um grupo de soldados e lutou bravamente contra eles. Mas, finalmente, eles conseguiram paralisa-lo, atacando-o com uma lança e o atiraram ao chão, e assim o Muslem foi detido e transferido para o palácio da governadoria. Daqui a frente que se inicia a epopeia de Ashura.  

Muslem Ibn Aqil, enquanto morto, com alegria recordava que: "Hoje eu bebo o néctar do martírio, mas estou feliz e estou satisfeito que a minha morte é apenas no caminho reto e retidão e do Alcorão.”.

Ao ouvir a notícia do martírio de um de seus companheiros leais, o Imã Hussein, com os olhos cheios de lágrimas, disse: "Ó meu Senhor, olha para nós e aqueles que nos acompanham e os consagra um lugar elevado da sua misericórdia. Na verdade, era o Poderoso sobre todas as coisas”.  

Saudações de Deus e dos anjos puros ao alto espírito de Muslem Ibn Aguil. Saudações para os seguidores do seu caminho, que é o "correto" e da "liberdade"!


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
O Perdão

O Perdão