Egito retira 1.500 pessoas da lista de terroristas, incluindo o ex-presidente Mursi

Egito retira 1.500 pessoas da lista de terroristas, incluindo o ex-presidente Mursi

O Tribunal de Cassação do Cairo removeu mais de 1.500 pessoas da lista de terroristas, incluindo o ex-presidente Mohamed Mursi, informou o portal de notícias Youm7.

As pessoas nesta lista são acusadas de ter ligações com a organização terrorista da Irmandade Muçulmana (proibida no Egito e na Rússia).  Segundo a imprensa, seus casos foram enviados para revisão.

O ex-presidente Mursi, juntamente com seus filhos, foi um dos primeiros a aparecer nesta lista. Além disso, o astro do futebol do Egito, Mohamed Aboutrika, que atualmente está no Catar, também foi retirado da lista.

Todos os integrantes da lista estão proibidos de sair do país e seus recursos foram congelados.

Fundado em 1928 no Egito, o movimento da Irmandade Muçulmana é uma associação político-religiosa que tem muitos adeptos em vários países árabes.

O grupo foi banido no país pouco depois do golpe militar que em julho de 2013 derrubou o então presidente Mursi.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018