Erro humano" provocou a tragédia de colisão de petroleiro Sanchi

Uma força tarefa iraniana que investiga a tragédia de petroleiro que causou a morte de 32 pessoas nas costas da China em janeiro identificou "erro humano" pela acidente o que se acredita ter sido o pior desastre naval em décadas recentes.

O incidente envolveu a colisão da Sanchi - que era dirigida pela maior Companhia Petroleira Iraniana Nacional (NITC), operada pelo Irã, com um navio chinês chamado Crystal Crystal.

Ocorreu na costa da China, perto de Xangai, e na foz do delta do rio Yangtze, em 6 de janeiro de 2018.

O Sanchi - que carregava condensados para a Coréia do Sul - afundou depois de queimar por oito dias. Toda a tripulação de 30 iranianos e dois bengaleses a bordo do navio são considerados mortos.

Nader Pasandideh, o chefe da delegação iraniana em um painel formado para estudar o incidente, disse aos repórteres que uma mudança no curso de CF Crystal foi a culpada pela tragédia.

O navio chinês, disse Pasandideh, não conseguiu mudar seu rumo, apesar de Sanchi ter advertido para fazê-lo 15 minutos antes do incidente.

Ele acrescentou que os oficiais de navegação Sanchi também eram culpados, uma vez que não haviam tomado uma atitude oportuna para mudar a direção do navio depois de perceber que a CF Crystal estava avançando na rota de colisão.

Pasandideh enfatizou ainda que o relato do painel liderado pelo Irã era diferente daquele de um painel separado liderado pela China.

Ele disse que o painel liderado pela China acredita que Sanchi não respeitou a prioridade de cruzar a regra da navegação marítima.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018