O líder da Al-Qaeda pede "ataques contra judeus e americanos pelo reconhecimento de Jerusalém [Al-Quds]"

O líder da Al-Qaeda pede

Um líder superior da Al-Qaeda na segunda-feira convidou os muçulmanos "em todos os lugares" a se levantar e matar judeus e americanos em resposta à decisão polêmica do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém [Al-Quds] como a capital de Israel.

Rompendo com décadas da política dos EUA, Trump, em 6 de dezembro, disse que sua administração reconheceria Jerusalém como a capital de Israel e levaria sua embaixada de Tel Aviv para a cidade santa.

Na segunda-feira, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, comprometeu-se a mudar a embaixada no final de 2019, em um discurso no parlamento de Israel, que viu os legisladores palestinos terem expulsado depois de gritarem em protesto.  .

Em um vídeo lançado na segunda-feira, Khalid Batarfi disse que a decisão de Trump era "uma declaração de uma nova guerra entre judeus e cruzados" e todos os muçulmanos tinham o dever de "liberar" a cidade sagrada, informou o grupo de monitoramento da SITE Intelligence. "Nenhum muçulmano tem o direito de ceder a Jerusalém, não importa o que aconteça", disse Batarfi, um dos principais comandantes do poderoso grupo de Iêmen.

"Somente um traidor desistiria ou o entregaria". "Deixe-os (muçulmanos) subir e atacar os judeus e os americanos em todos os lugares", disse ele, no vídeo de 18 minutos intitulado "Nosso dever para a nossa Jerusalém".

A decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém [Al-Quds] desencadeou protestos em todo o mundo muçulmano e foi criticada por aliados dos EUA.

No vídeo, o Batarfi denunciou os protestos dos aliados dos EUA como não genuínos e "nada além de pó jogado nos olhos". "A maior responsabilidade reside nos muçulmanos na América e nos países ocidentais", afirmou.

"Os muçulmanos dentro da terra ocupada devem matar todos os judeus, executando-os ou apunhalando-os, ou usando contra eles qualquer arma no seu alcance, bem como queimando suas casas".

O Batarfi é um alto personagem de  al-Qaeda na Península Arábica (AQAP), descrito pelos EUA como o ramo mais perigoso da rede mundial de terrorismo. O grupo abduziu estrangeiro e assumiu a responsabilidade pelo mortal ataque de 2015 em Paris à revista satírica francesa Charlie Hebdo, que matou 12 pessoas, por motivo da publicação de caricaturas do Profeta Muhammad (P.E.C.E). Os Estados Unidos intensificaram seus ataques aéreos contra a AQAP desde que Trump assumiu o cargo em janeiro.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016