ONU inclui coligação saudita em "lista negra" por matar crianças no Iémen

ONU inclui coligação saudita em

A ONU incluiu a coligação liderada pela Arábia Saudita no Iémen na "lista negra" que elabora anualmente para identificar as partes de conflitos acusadas de matar e ferir crianças.

Há um ano, a organização tinha decidido não incluir as forças sauditas nessa lista devido a pressões que recebeu por parte de Riad, reconheceu o então secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

A coligação liderada pela Arábia Saudita surge agora incluída na lista, juntamente com outras partes do conflito iemenita e grupos armados e terroristas que intervêm noutras guerra em diferentes países.

A lista está dividida em duas partes: uma com os que não quiseram tomar medidas para melhorar a proteção dos menores e outra com aqueles que o fizeram.

A coligação saudita aparece entre os segundos, com as Nações Unidas a destacarem que receberam informação sobre alterações nas regras dos confrontos e sobre a criação de uma equipa encarregada de rever todos os incidentes com as vítimas civis e identificar correções.

Além disso, refere que a Arábia Saudita criou uma unidade de proteção de menores no quartel geral da coligação.

Segundo o secretário-geral da ONU, António Guterres, as alterações introduzidas este ano no formato do relatório refletem uma maior cooperação das Nações Unidas com as partes implicadas, o que deveria levar a uma melhor proteção das crianças nas guerras.

"O objetivo deste relatório não é apenas aumentar a consciencialização sobre as violações dos direitos das crianças, mas também promover medidas que possam diminuir o trágico sofrimento dos meninos nos conflitos", disse, através do seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

A "lista negra", no entanto, ameaça criar um novo episódio de tensão entre a organização e o país árabe, cujo embaixador anunciou uma conferência de imprensa para hoje.

Segundo a ONU, pelo menos 1.340 menores morreram ou sofreram mutilações no âmbito da guerra no Iémen durante o ano de 2016.

O relatório das Nações Unidas denuncia também os ataques contra as crianças em muitos outros conflitos, desde o Afeganistão à República Democrática do Congo, passando pelo Iraque, Somália ou Síria.

Segundo o texto, em 2016 verificaram-se em 20 países mais de 4.000 violações cometidas por forças governamentais e mais de 11.500 por parte de grupos armados não estatais.Estes números incluem, além de ataques, o recrutamento de menores, abusos sexuais ou sequestros.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016