Opinião: EUA podem perder guerra terrestre na Europa para Rússia

  • Código da notícia : 842293
  • Font : br.sputniknews
Brief

Os EUA estão enfrentando crise na produção de tanques, o que podem fazê-los perder para a Rússia, caso entrem em conflito, acredita o colunista do The National Interest, Loren Thompson.

Os Estados Unidos estão produzindo somente 12 tanques Abrams por ano em sua última fábrica de tanques em Lima, Ohio, enquanto a Rússia planeja equipar suas forças com tanques de última geração com possíveis maiores capacidades de resistência, ressalta o colunista do The National Interest, Loren B. Thompson.
Apesar de o Congresso norte-americano planejar gastar mais na produção de tanques, o plano de modernização, apresentado pela administração de Trump, vai exigir quase um quarto de século para modernizá-los.

Mas, de acordo com o colunista, a guerra pode começar muito antes de surgimento de tanques modernizados dos EUA. Ao mesmo tempo, a Rússia já supera os países da OTAN como EUA, Alemanha, França e Itália em número de tanques.

Loren Thompson frisa que a Rússia está começando a utilizar tanques ainda melhores do que os blindados do exército norte-americano, bem como dos aliados dos EUA. O novo tanque russo Armata possuirá blindagem reativa a explosivos, proteção ativa contra tanques do inimigo e radar com capacidade reforçada de pontaria. 

De acordo com oficiais do exército norte-americano, a Rússia se encontra no mesmo nível de força das capacidades do ocidente, mas com o Armata a Rússia com certeza vai ultrapassar os países ocidentais. 

Thompson acredita não ser exagerado dizer que a disparidade das capacidades pode levar ao fracasso dos EUA em uma guerra futura. De acordo com ele, já é tarde demais para iniciar um novo programa de modernização dos veículos blindados norte-americanos, pois tal ação levaria anos para ser concluída.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA