Personalidades e entidades islâmicas condenam o fechamento da mesquita de Al-Aqsa pelo regime sionista

  • Código da notícia : 842419
  • Font : parstoday
Brief

O regime israelense, após um ataque anti-sionista de três palestinos na sexta-feira, ordenou que os palestinos entrassem na mesquita de Al-Aqsa para realizar orações na sexta-feira; Uma decisão que causou reações furiosas dos árabes e islâmicas.

As brigadas Ezzeddin Al-Qassam do Hamas, disseram em sua conta do twitter, a operação na mesquita de Al-Aqsa provou que os palestinos estão comprometidos com a resistência contra o inimigo sionista, insistindo que a mesquita sagrada é a base dos conflitos entre Israel e a Palestina.

A Liga Árabe chamou a medida do regime sionista a fechar a mesquita a violação de todas as resoluções internacionais.

Também pediu a reabertura imediata deste local sagrado e instou a comunidade internacional a permanecer comprometida com sua obrigação na proteção dos locais religiosos islâmico e cristão e do povo palestino.

A Universidade Al-Azhar, que é o centro educacional religioso sunita mais antigo, condenou a ação israelense e descreveu-a como exploração de incidentes para continuar sua política de judaização.

O Parlamento Árabe, também, denunciou a invasão israelense contra a mesquita de Al-Aqsa e seu encerramento.

Faz parte de um plano do regime sionista dividir a mesquita pelo tempo e pelo espaço, de acordo com a afirmação da entidade árabe.

O presidente do Parlamento árabe, Mashaal Al-Salami, em sua declaração, condenou as ações na mesquita de Al-Aqsa como violação das leis e convenções internacionais, bem como dos valores da humanidade.

O antigo Beit-ul-Moqadas Mufti Sheiakh Akrama Sabari convidou todos os árabes e muçulmanos a unirem e a libertar Jerusalém e a Palestina.

Abbas Zaki, membro do comitê central da al-Fatah, disse que o ataque de sexta-feira foi o resultado das políticas de Israel. Na medida em que a ocupação, não haveria paz na região, de acordo com ele.

Jordânia, como guardiã do complexo de Al-Aqsa, exortou o regime sionista a reabrir a mesquita. Israel deve abrir a mesquita de Al-Aqsa aos palestinos sem qualquer mudança no status de Beit-ul-Moqadas, disse o porta-voz do governo jordaniano, Mohamed Momani.

A Turquia também denunciou o encerramento e pediu a reabrtura das portas da mesquita Al-Aqsa às orações muçulmanas.

O Ministério das Relações Exteriores do Qatar condenou fortemente a ação de Israel na prevenção de palestinos de entrar na mesquita e realizar preces de sexta-feira, bem como declarar o site sagrado como uma zona militar fechada.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Arbaeen
Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA