Rei da Arábia Saudita ameaça travar guerra contra Qatar devido a possível acordo S-400

Rei da Arábia Saudita ameaça travar guerra contra Qatar devido a possível acordo S-400

O rei saudita teria ameaçado tomar medidas militares contra o Qatar se Doha comprar o sistema de defesa aérea S-400 da Rússia.

Segundo um relatório do jornal francês Le Monde, o rei Salman escreveu uma carta ao presidente francês Emmanuel Macron, expressando sua "profunda preocupação" com as negociações entre o Qatar e a Rússia para a venda do avançado sistema antiaéreo. O rei saudita observou que a aquisição da S-400 por Doha colocará em risco os interesses de segurança de Riad, incitando a França a intensificar a pressão sobre o Qatar na tentativa de impedir que o país adquira o sistema de defesa aérea.

"[Em tal situação], o reino estaria pronto para tomar todas as medidas necessárias para eliminar este sistema de defesa, incluindo a ação militar", disse o rei Salman na carta.

O relatório veio um dia depois que o embaixador saudita na Rússia, Rayed Krimly, disse que as negociações entre Riad e Moscou sobre a compra do sistema de mísseis S-400 estavam "avançando bem", observando que os dois lados estavam trabalhando nos detalhes técnicos do contrato.

A Arábia Saudita assinou acordos preliminares para comprar o sistema S-400 da Rússia durante a visita do rei Salman a Moscou em outubro passado. Em janeiro, o embaixador do Qatar na Rússia também disse que as negociações para a aquisição da S-400 estavam "em estágio avançado".

O anúncio ocorreu cerca de três meses depois que a Rússia e o Qatar assinaram um acordo sobre cooperação militar e técnica durante uma visita do ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a Doha em outubro do ano passado.

Em uma entrevista à Al Jazeera, o analista de defesa Pavel Felgenhauer disse que a oposição da Arábia ao possível acordo com o Qatar não afetará a decisão da Rússia, já que os esforços de Moscou de estabelecer laços comerciais com a Arábia Saudita não deram certo devido às expectativas políticas de Riad.  

"A Arábia Saudita tem claramente apegado forças políticas a qualquer possível acordo com a compra de armas russas... que a Rússia diminua sua cooperação com o Irã principalmente e talvez modifique sua posição na Síria", disse Felgenhauer.

"O Qatar não está ligando a essas cordas [e] a Rússia não tentaria se envolver militarmente em nada do que está acontecendo no golfo [persa]... De qualquer forma, esses mísseis antiaéreos, se aparecerem no Qatar, não será tão cedo”, acrescentou.

Em junho de 2017, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos (EAU), o Bahrein e o Egito romperam relações diplomáticas com o Qatar, em um esquema que, acredita-se, teria sido orquestrado por Riad. Os quatro países acusaram o Qatar de patrocinar o "terrorismo" e desestabilizar a região, uma alegação que foi fortemente negada por Doha.

Vários países africanos também romperam relações com o Qatar em apoio ao quarteto liderado pela Arábia Saudita. O quarteto liderado pela Arábia Saudita apresentou ao Qatar uma lista de exigências e deu um ultimato para cumprir ou enfrentar as consequências. As exigências incluem o fechamento da emissora Al Jazeera, de Doha, removendo as tropas turcas do solo do Qatar, diminuindo os laços com o Irã e encerrando as relações com o movimento da Irmandade Muçulmana do Egito.

O quarteto também impôs sanções contra Doha, incluindo restrições às aeronaves do Qatar que usam o espaço aéreo dos quatro países. Para pressionar ainda mais o Qatar, a Arábia Saudita fechou totalmente sua fronteira terrestre com seu vizinho, através do qual passava grande parte do suprimento de alimentos do Qatar.

O Qatar, no entanto, se recusou a ceder e denunciou as demandas como não razoáveis, dizendo que sua soberania havia sido atacada. Em troca, os quatro países que participaram do boicote prometeram impor novas sanções.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Arbaeen
Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018