Resistência continuará porque tem confiança e apoio popular: disse Nasrollah.

Resistência continuará porque tem confiança e apoio popular: disse Nasrollah.

O secretário-geral do movimento de resistência libanês do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrollah, elogiou a garantia de uma atmosfera de tranquilidade e segurança para as eleições gerais do país como uma conquista nacional, descrevendo os resultados como uma grande vitória para o grupo da resistência.

Dirigindo-se a seus partidários por meio de um discurso televisionado transmitido ao vivo na noite de segunda-feira da capital libanesa de Beirute, Sayed Hassan Nasrollah saudou os resultados da votação como "uma grande vitória moral e política para o Hezbollah, que protege o país". Ele expressou sua gratidão a todos aqueles que ajudaram a realizar as pesquisas nacionais com sucesso, enfatizando que a “lei do voto de proporcionalidade ofereceu a todas as facções políticas a oportunidade de se representarem nas eleições, mitigou os riscos de exclusão da estrutura política do Líbano e assegurou a todos as partes um papel na administração do país”.

Nasrollah então elogiou o ambiente seguro e estável durante as eleições de seis de maio, enfatizando que o Hezbollah precisa de uma forte representação no parlamento para combater a corrupção, honrar suas promessas e construir o Líbano.

“Os Estados Unidos e alguns estados do Golfo Pérsico recorreram à campanha de difamação em uma tentativa de envenenar a opinião pública em relação ao Hezbollah. Seus esforços, no entanto, terminaram em fracasso”, ressaltou o Nasrollah.

O chefe do Hezbollah observou ainda que o movimento de resistência obteve seus objetivos nas eleições nacionais, dizendo que as fortes relações entre a nação libanesa, as forças armadas e seus companheiros combatentes podem proteger o país árabe contra qualquer ameaça potencial.

“Ninguém no mundo pode atingir o Hezbollah, pois tem apoio firme entre várias classes da sociedade libanesa. Cidades e municípios no sul do Líbano têm servido como a frente de resistência em face de ameaças sendo preparadas para enfrentar o regime israelense e grupos terroristas. Os planos dos inimigos para minar a popularidade do Hezbollah nessas regiões resultaram em fracasso”, sublinhou Nasrollah.

Ele pediu aos partidos políticos libaneses que deixem espaço para a reconciliação, exortando-os a ficar longe das tentativas de se menosprezarem. "Devemos evitar qualquer discurso sectário ou inflamatório semelhante àqueles proferidos antes das eleições, se quisermos evitar qualquer conflito no país", comentou o secretário-geral do Hezbollah.

Nasrollah então advertiu contra ameaças feitas por autoridades israelenses contra a Síria, o Líbano e a República Islâmica do Irã, ressaltando que elas são preocupantes para as nações do Oriente Médio. Ele exigiu cooperação entre as facções libanesas, dizendo: "As cenas de famílias de mártires, combatentes feridos e os idosos que esperavam para votar foram muito tocantes". “O povo libanês cumpriu seu dever nas eleições. A responsabilidade agora cabe aos parlamentares como eles são responsáveis ​​diante de Deus e do povo”, concluiu Nasrollah.

A primeira votação parlamentar do Líbano em nove anos foi realizada no domingo, com mais de 500 candidatos disputando assentos parlamentares. A participação foi de 49,2 por cento, de acordo com relatos oficiais.

Os resultados não oficiais das eleições parlamentares do Líbano mostram que o Hezbollah e seus aliados políticos garantiram mais da metade dos assentos. O Hezbollah, assim como grupos e indivíduos afiliados a ele, conquistaram pelo menos 67 assentos no parlamento do Líbano, de acordo com os resultados citados por políticos e campanhas e divulgados na mídia libanesa.

Os aliados do Hezbollah incluem o Movimento Amal liderado pelo Presidente do Parlamento Nabih Berri e o Movimento Cristão Livre Patriótico, fundado pelo Presidente Michel Aoun. As cadeiras parlamentares são divididas igualmente - 64 para cristãos e 64 para muçulmanos, incluindo drusos, com as duas metades divididas em 11 grupos religiosos.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016