Turquia mata a 222 civis desde início de sua operação em Síria

Turquia mata a 222 civis desde início de sua operação em Síria

Ao menos 222 civis mortos e 700 feridos é o saldo da chamada operação ‘Ramo de Oliveira’ de Turquia, que iniciou desde 20 de janeiro contra a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG, por suas siglas em curdo) em Afrin, no norte de Siria.

A agência estatal de notícias de Síria, SANA, anunciou no sábado que com a morte de outros civis nos bombardeios turcos contra a região curdo-síria, se elevou a 222 o número dos “mortos” desta operação que já leva 50 dias. A maioria das vítimas mortais são mulheres e crianças .
As ofensivas turcas, assim mesmo, têm deixado 700 civis feridos e têm causado  danos graves às infraestruturas da Mastourda e Termesha, entre outras localidades de Afrin, acrescentou a fonte.
De igual modo, denunciou que as forças turcas e seus aliados sírios seguem violando a resolução 2401, aprovada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU), que exige a todos os bandos deter de imediato o fogo durante 30 dias em todo o território sírio para a entrega de ajuda humanitária.
Enquanto, o comando geral da operação turca tem informado em um comunicado emitido neste domingo de que o 'Ramo de Oliveira' tem acabado com a vida de 3291 “terroristas” das YPG e do grupo Daesh.
Este entidade turca tem reiterado que o objetivo é estabelecer a “segurança” e a “estabilidade” ao longo da fronteira que compartilha Turquia com Síria, enquanto Damasco pensa o contrário e assegura que Ancara “abre” suas fronteiras para alimentar os terroristas ao solo sírio.
O comando geral da operação insiste de que Ancara respeita os regulamentos internacionais e resoluções do CSNU que velam pelo direito da cada país a se defender ante as ameaças.
Apesar da alarmante cifra dos civis mortos, a comandancia turca diz que os ataques se dirigem unicamente contra os alvos terroristas e com “máxima” precaução para evitar baixas entre a população civil.
A operação ‘Ramo de Oliveira’ de Turquia começou o passado 20 de janeiro contra as milícias curdas de Afrin, entre elas, as YPG, conceituadas terroristas por Ancara. Damasco, não obstante, considera a ofensiva de uma flagrante violação de sua soberania.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016