Celso Amorim: não precisamos de forças de inteligência americanas no Brasil

Celso Amorim: não precisamos de forças de inteligência americanas no Brasil

O ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa do Brasil, Celso Amorim, assegurou que "uma parte da sociedade está preocupada com a imagem do Brasil no exterior", questionando o rumo político da prisão de Lula.

O diplomata brasileiro, em entrevista à Sputnik Mundo, falou sobre a estratégia das Forças Armadas na Amazônia e a cedência de soberania por parte do governo de Michel Temer.

"Lula tem muita convicção da sua inocência. […] O processo contra Lula foi impregnado por um objetivo político — principal objetivo político, e todo esse processo de golpe que ocorreu no Brasil se inicia com o impeachment de Dilma e […] culmina com a prisão de Lula. Não sei, eu creio que na Justiça, sobretudo na Corte Suprema, haja opiniões distintas. Eu sinto alguma mudança de humor em algumas decisões recentes, por exemplo, […] com a absolvição total da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, decisão importante, ou a decisão de libertar José Dirceu, também é algo importante", declarou em entrevista à Sputnik Mundo.

Também adicionou que "Lula é o alvo principal de todo este processo, por isso as coisas são mais difíceis", admitiu o ex-ministro das Relações Exteriores brasileiro.

No entanto, destacou o questionamento crescente do processo judicial de Lula, notando que na última semana foi realizada uma manobra de adiamento que deixa a resolução da situação de Lula muito próxima da eleição. Para Amorim, Lula poderia ser candidato, mas tem pouco tempo para que apareça em público e organize campanha.

Por outra parte, Amorim se referiu à maior sintonia entre Washington e Brasil após a chegada de Michel Temer ao Palácio Presidencial, sobretudo em temas de segurança e proteção dos recursos naturais. Ex-ministro destaca que a "preservação da Amazônia sempre foi algo importante" para o país. "Não temos nenhuma necessidade da presença de forças de segurança ou de inteligência norte-americana para defender o nosso território. […] É verdade que os militares brasileiros são muito nacionalistas no sentido territorial e de defesa, mas, se tudo é privatizado então não há muito o que defender. […] O que vão defender se as riquezas acabam sendo vendidas?", resumiu.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016