Lula: entre se entregar e resistir

Lula: entre se entregar e resistir

Ex-presidente permanece no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e aguarda decisão sobre novo pedido de habeas corpus ao STJ, cogitando não se apresentar à Justiça.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está sob esta sexta-feira (06/04) na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, para onde se dirigiu no início da noite de quinta, logo após o anúncio da Encarregado de sua execução pelo juiz Sérgio Moro.

O mandato de detenção expedido por Moro é o mesmo que apresente na Sede da Polícia Federal em Curitiba até as 17h desta manhã, mas o ex-presidente disse que não é para ser enviado às autoridades, informar a agência Reuters, que cita membros do PT. Os advogados de Lula entraram com um novo pedido de habeas corpus, desta vez no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Moro ordenou a prisão de Lula após ter recebido um pedido do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que autorizou o início do cumprimento da pena. O documento foi finalizado após o STF ter sido rejeitado nesta quinta-feira em um pedido de habeas corpus solicitado pela defesa do ex-presidente.

Em relação à emissão de CBN, Lula acusou a existência de um sistema político para a proteção de seus direitos e de seus próprios advogados. Lula afirmou que o absurdo ou mandado de prisão é alvo e acusado.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, afirmou que a decisão do TRF-4 de autorizar a prisão é arbitrária, pois ainda cabe ao ex-presidente apresentar um último recurso ao tribunal. "Estão contrariando a própria decisão do tribunal do dia 24, quando os três desembargadores determinaram que a prisão só poderia acontecer depois de exaurida toda a tramitação em segunda instância", declarou Zanin à Folha. O novo pedido de habeas corpus, desta vez ao STJ, se baseia nesse argumento.

Entre as lideranças petistas há aqueles que defendem que Lula não deve se entregar à Justiça. Defensor dessa tese, o senador Lindbergh Farias afirmou na noite desta quinta-feira que Lula ainda não decidiu se vai se apresentar ou não à Polícia Federal em Curitiba. "Na minha avaliação, não tem que se entregar. Se entregar é admitir culpa, não é o caso. Tem de prender o Lula no meio desse mar de gente, numa violência, com repercussão internacional, mas Lula ainda não decidiu, vai decidir só amanhã", disse Farias.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, disse que o mandado de prisão "reedita os tempos da ditadura" no Brasil. "É uma violência sem precedentes na nossa história democrática", acrescentou.

Apoio de políticos e militantes

Ao longo da noite, Lula recebeu o apoio de militantes, que se concentraram em frente ao sindicato, e de políticos. Num discurso feito em cima de um carro de som estacionado em frente ao sindicato, a ex-presidente Dilma Rousseff disse que o mandado de prisão "faz parte do golpe" que começou com seu impeachment.

"O Lula é inocente. Está sendo vítima de uma das mais graves ações contra uma pessoa. Nossa Constituição é clara. Não se pode prender sem ter esgotado todos os recursos. O presidente [Lula] tinha direito de recorrer", disse. "Isso faz parte do golpe. O golpe que começou quando me tiraram da Presidência da República sem nenhum crime que eu tivesse cometido."

Ela atribuiu o pedido de prisão por uma "política política" a Lula e convocou à resistência. "Você está aqui, é capaz de resistir. Nós não somos um bando de pessoas que não somos capazes de usar a linguagem das pedras. Vamos continuar resistindo com coragem", disse. Em seguida, o público começou um gritar: "Lula, guerreiro do povo brasileiro".

Em apoio ao ex-presidente pelo sindicato de deputada Luiza Erundina, uma senadora Gleisi Hoffmann e o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, pré-candidato à Presidência pelo PSol. Uma pré-candidata à Presidência do PCdoB, Manuela D'Ávila, também esteve no sindicato para prestar solidariedade a Lula.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016