Terceiro dia de ocupação na Rocinha tem moradores nas ruas e comércio aberto

  • Código da notícia : 856355
  • Font : agenciabrasil
Brief

O terceiro dia de ocupação das tropas federais na Rocinha começou com aparente tranquilidade neste domingo (24). Sem tiroteios desde a tarde de sábado (23), a população ficou mais confiante e saiu para as ruas, principalmente para fazer compras no comércio local.

Tanto na parte baixa da comunidade, junto à Autoestrada Lagoa-Barra, quanto na parte alta, ao longo da Estrada da Gávea, principal via que corta a comunidade, tropas militares fazem guarda em pontos estratégicos, em intervalos que variam de 100 metros a 500 metros de distância.

A frequência das revistas aos moradores diminuiu, e os soldados se concentram mais em verificar carros e vans. Até caminhões de lixo são revistados, em busca de criminosos que possam estar tentando deixar a comunidade. Mais cedo, a polícia encontrou uma pequena quantidade de lança-perfume em um saco abandonado na rua.

Moradores evitam falar com a imprensa e os que aceitam não se identificam. Um mototaxista demonstrava receio de que a operação só durasse até o fim do Rock in Rio, que termina na noite deste domingo.

Outro grupo que conversava em outra área da comunidade, entre a Rua Dois e a sede da Unidade de Polícia Pacificadora  (UPP), no alto do morro, comentava a informação, divulgada desde sábado, de o traficante que Rogério 157, que controla a venda de drogas na Rocinha, teria trocado de facção e ido para o lado do principal grupo criminoso do estado. “Se isso acontecer, esta guerra não acaba tão cedo, pois o Nem [Antonio Bonfim Lopes, preso em penitenciária federal] não vai aceitar”, disse o mototaxista.

A Rocinha é considerada pela polícia o principal ponto de venda de drogas do Rio de Janeiro.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA

A MENTIRA