Aiatolá Khamenei aconselha pressão contra o governo de Myanmar.

  • Código da notícia : 853885
  • Font : parstoday
Brief

O aiatolá Seyed Ali Khamenei pediu aos governos islâmicos que exerçam pressão política e econômica sobre o governo "cruel" de Mianmar, visando impedir a repressão mortal contra os muçulmanos Rohingya, uma minoria no país do Sudeste Asiático.

Ele pediu medidas práticas dos governos islâmicos para acabar com a crise em Mianmar. "Claro, medidas práticas não significam implantações militares. Pelo contrário, eles (governos islâmicos) têm que aumentar suas pressões políticas, econômicas e comerciais sobre o governo de Mianmar e criticando esses crimes em organizações internacionais”, disse o líder.

O governo de Myanmar colocou um cerco em um estado ocidental onde os Rohingya estão concentrados. Lá, violência terrível tem ocorrido contra as minorias muçulmanas, segundo relatos e testemunhas anonimatos.

Soldados e budistas extremistas têm assinalado ou estuprando os muçulmanos e incendiando suas casas.

O governo de Myanmar diz que 400 pessoas, na sua maioria muçulmana, morreram no último ataque de violência.

A ONU diz que o número real provavelmente atingirá a mil pessoas. Aiatolá Khamenei criticou fortemente o silêncio e a inação de organismos internacionais e os países que se autoproclamam defensores dos direitos humanos perante as atrocidades em curso.

O líder disse que a crise em Mianmar é uma questão política e não deve ser reduzida a um conflito religioso entre muçulmanos e budistas, apesar de ser envolvido em preconceito religioso. "Esta é uma questão política porque o partido que vem realizando as atrocidades é o governo de Myanmar, no topo da qual é uma mulher cruel que ganhou o Prêmio Nobel da Paz. E com esses incidentes, pode se anunciar a morte do Prêmio Nobel da Paz”, disse ele.

O líder de Myanmar, Aung Sang Suu Kyi, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1991, não tomou quase nenhuma ação para acabar com a violência mortal contra o Rohingya no estado Rakhine. Recentemente, ela disse que relatórios sobre a violência generalizada e brutal contra os muçulmanos foram falsas notícias.

Aiatolá Khamenei disse que a Organização de Cooperação Islâmica (OIC) deveria se reunir para discutir a crise em Myanmar. O líder disse que o Irã tem que expressar a sua posição. "O mundo de hoje é o mundo da opressão, e a República Islâmica está honrada de se manter falar contra a opressão em qualquer lugar do mundo, seja em territórios ocupados por sionistas, em Bahrein, no Iêmen ou em Mianmar", ele disse.

308 


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA

A MENTIRA