Aiatolá Khamenei: Ataque dos EUA, Reino Unido e França à Síria é um " crime”.

Aiatolá Khamenei: Ataque dos EUA, Reino Unido e França à Síria é um

Líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Khamenei condenou os ataques aéreos conjuntos dos EUA, do Reino Unido e da França contra a Síria descrevendo-o como "crime" e os líderes desses três países ocidentais como "criminosos".

"Declaro claramente que o presidente dos EUA, o presidente francês e a primeira-ministra do Reino Unido são criminosos e cometeram um crime", disse o líder no sábado.

Falando por ocasião da Festa da designação de profeta Muhammad (que a paz esteja com ele), destacou o aiatolá Khamenei, "não vão conseguir nada e os ataques não vão beneficiar, como nos anos anteriores, que tiveram presença no Iraque, a Síria e o Afeganistão, e cometeram crimes semelhantes, mas não se beneficiaram com eles”.

O aiatolá Khamenei estava reagindo a um ataque de misseis coordenado por Estados Unidos, Grã-Bretanha e França na Síria, na madrugada de sábado, devido a um suposto ataque químico no subúrbio de Damasco na semana passada.

 “Aqueles que estavam apoiando aberta e veladamente o Daesh, hoje estão confrontando-os e derrotando-os [os terroristas]”! Isso é uma mentira; Esse não é o caso. Eles não tiveram nenhum papel “nos esforços para derrotar os grupos takfiris, disse o Líder”. Os americanos entrariam no cenário da batalha e ajudariam o Daesh sempre que os terroristas estivessem sob um cerco e prestes a sofrer uma derrota.

O Líder acrescentou que os EUA criaram as “criaturas do mal” chamadas Daesh, usando o dinheiro fornecido pelo regime de Al Saud e os países semelhantes. No entanto, o aiatolá Khamenei acrescentou que a resistência contra os EUA e seus agentes salvou as nações iraquianas e da síria. O aiatolá Khamenei também se referiu aos comentários do presidente dos EUA, Donald Trump, que disse no mês passado que seu país gastava sete trilhões de dólares no Oriente Médio e ainda "não conseguia nada". Trump "está certo", disse o Líder. "Eles não conseguiram nada, e os EUA não conseguirão nada no futuro, não importa quanto dinheiro gastar."

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a agressão dos EUA na região “não terá resultado, a não ser aniquilação e destruição”, acrescentando que os agressores “procuram justificar sua presença na região por meio desses ataques”. Os agressores estão zangados com as derrotas dos terroristas que apoiaram na região de Ghouta, na Síria, ressaltando, no entanto, que o povo sírio manterá sua resistência.

Ataques de mísseis "uma violação do direito internacional"

 Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores do Irã condenou veementemente os ataques como uma violação da lei internacional, alertando contra as repercussões de tal ato de agressão contra um país independente. "A agressão é uma violação flagrante do direito internacional e uma desconsideração do direito da Síria à soberania nacional e integridade territorial", disse o Ministério do Exterior iraniano em um comunicado divulgado no sábado. "Com base em regulamentos religiosos, legais e éticos, o Irã se opõe a qualquer uso de armas químicas, mas, ao mesmo tempo, rejeita e condena com veemência a formulação falsa de desculpas para invadir um país independente", diz o comunicado.

O Irã também responsabilizou os EUA e seus aliados pelas consequências regionais e extrarregionais do ataque militar lançado contra a Síria "sem qualquer evidência ou documento comprovado" por suas alegações de um ataque químico por Damasco.

A declaração também pediu às organizações e organismos internacionais que condenem firmemente os ataques militares “arbitrários e unilaterais” contra um Estado membro das Nações Unidas, que são contrários aos regulamentos internacionais e à Carta das Nações Unidas. O Irã “condena veementemente” tais atos de agressão, que minam a paz global e fortalecem o terrorismo e o extremismo na região, disse a declaração.

A Síria foi atacada uma semana depois que um ataque com armas químicas atingiu a cidade síria de Douma, perto de Damasco. Os países ocidentais culparam o governo sírio pelo incidente, mas Damasco rejeitou as acusações como "fabricações químicas" feitas pelos próprios terroristas em uma tentativa de deter os avanços das forças pró-governo.

Os novos ataques dos EUA ocorrem pela segunda vez  por ordem do presidente Donald Trump que autorizou ataques contra a Síria. Ele havia ordenado um ataque com míssil contra a base aérea Shayrat na província de Homs, na Síria, em 7 de abril de 2017, alegando que a base aérea foi à origem de um suposto ataque com gás sarin na cidade de Khan Shaykhun na província síria de Idlib em 4 de abril, de 2017.

 Em outro lugar em seu comunicado, o Ministério das Relações Exteriores iraniano afirmou que os dois ataques militares à Síria ocorreram depois que os terroristas enfrentaram derrotas em Aleppo e no Ghouta oriental, respectivamente. Ele também enfatizou que a nação síria vai frustrar as conspirações destinadas a mudar as equações no terreno em favor dos terroristas.

O analista Hussein Sheikholeslam, o ex-embaixador iraniano em Damasco, disse à TV estatal que os ataques ajudariam a unir os sírios ao governo. "Esses ataques vão estabilizar o governo sírio... e unir as diferentes tribos na Síria à medida que os sírios se conscientizam de sua honra e defendem a independência, a integridade territorial e o governo de seu país", disse Sheikholeslam.

IRGC adverte EUA de precipitação

O Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC) disse que o ataque tripartido à Síria não enfraquecerão a frente de resistência, mas sim reforçará em face de medidas intervencionistas. "Os americanos devem esperar pelas consequências de suas ações", disse o general Yadollah Javani, vice-comandante de Assuntos Políticos do IRGC, à agência de notícias Fars. Eles "imaginam que podem mudar a situação na Síria com essas medidas, mas isso não vai acontecer definitivamente", acrescentou.

Tais ataques são em detrimento dos EUA e só complicarão a situação, disse Javani, observando que Washington é "responsável pelas consequências futuras dos desenvolvimentos regionais que se seguirão". "Se os americanos pensarem que com o dinheiro de Al Saud podem diminuir o dano [sofrido] e continuar seus movimentos intervencionistas, eles certamente estão errados e tais movimentos pavimentam o caminho para que os EUA sofram danos no futuro".

Hezbollah elogia resposta da Síria

O movimento libanês de resistência do Hezbollah também condenou duramente os ataques aéreos americanos, franceses e britânicos contra a Síria, elogiando a defesa aérea do vizinho árabe por enfrentar os ataques com mísseis. "A guerra dos Estados Unidos contra a Síria e contra os povos da região e o movimento de resistência não atingirá seus objetivos", disse o Hezbollah em um comunicado.

O movimento de resistência tem ajudado o exército sírio no campo de batalha contra terroristas apoiados por estrangeiros.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016