"Declaração da Assembleia Mundial da Ahlul Bait (as) Condenando o Genocídio contra os Muçulmanos Rohingyas em Mianmar "

  • Código da notícia : 853054
  • Font : abna
Brief

Na passividade mortal dos governos ocidentais, e das instituições e organismos internacionais [DD.HH.], uma nova onda de ataques foi lançada contra os muçulmanos Rohingya, no estado de Rajine, na Birmânia.

Em Nome de Deus, o Poderoso dos Poderosos

 

Na passividade mortal dos governos ocidentais, e das instituições e organismos internacionais [DD.HH.], uma nova onda de ataques foi lançada contra os muçulmanos Rohingya, no estado de Rajine, na Birmânia.

"O povo Rohingya está sendo oprimido na Birmânia pela simples razão de que eles existem", as pessoas foram abusadas e oprimidas por muitos anos. Os atrozes crimes cometidos pelos budistas radicais, materializado pelo exército birmanes, e apoiado pelo governo de Naipyido. O marco desta crise, a queima dos muçulmanos, bem como também suas casas, mesquitas e lojas. Os Rohingya são submetidos a violência excessiva quando são expulsos de suas casas e forçados a emigrar.

Segundo os últimos números oficiais, cerca de 400 pessoas foram mortas na última semana, enquanto centenas de milhares se afogaram no mar nos últimos cinco anos, tentando escapar da violência, foram mortos ou deslocados à força. A população muçulmana deslocada da Birmânia equivale a aproximadamente um milhão de pessoas.

A Assembleia Mundial de Ahlul Bait (AS), sendo uma instituição onde centenas de seus membros são também pertencem a elites muçulmanas em todo o mundo, tem como objetivo atrair a atenção mundial para os seguintes pontos:

 

  1. A essência das religiões é o "monoteísmo", "moralidade", "amor" e "convivência pacífica entre os seres humanos". Portanto, qualquer grupo ou governo que assassine seres humanos afirma que toda religião e / ou grupo religioso mente [em seus postulados].
  2. Os direitos à cidadania das pessoas dependem do solo e da água que se encontram entre os direitos naturais mais óbvios das pessoas de cada país, sendo um dos pontos mais destacados nas convenções internacionais.

  3. Se um Estado nega a cidadania a algumas pessoas, não reconhecendo seu direito à terra, isso não dá o direito de os assassinar, queimá-las ou deslocá-las.

  4. Embora muitos países do mundo agora estejam integrando migrantes e fugitivos de zonas devastadas pela guerra, é surpreendente que o governo da Birmânia esteja assassinando as pessoas que vivem nesta terra há séculos abaixo de mil desculpas.

  5. O papel fundamental desempenhado pelo Takfirismo/Wahhabismo na perseguição dos muçulmanos birmaneses - Além dos budistas extremistas - não podemos ignorar a responsabilidade da presença dos takfiríes na região. O grupo Wahhabi é apoiado por petrodólares do Golfo, que propagam o ódio e a islamofobia no mundo, sem qualquer piedade e misericórdia aos muçulmanos, cristãos, budistas e seguidores de qualquer outra religião. Eles também desempenham um papel fundamental no campo do sionismo, provocando-o e justificando-o. Eles são os que despertaram a sedição entre os muçulmanos e os budistas na Birmânia.

 

  1. O Governo dos Estados Unidos e as demais grandes potencias do mundo são aqueles que, por uma pequena quantidade de violência atribuída aos chamados "muçulmanos extremistas" [que não são realmente muçulmanos], gritam em voz alta nos corações do mundo a sua oposição a isso, no entanto, permaneceu em silêncio por muitos anos, ocupando-se em tomar decisões contraditórias.
  2. Fazemos um chamamento à Organização da Cooperação Islâmica e aos governos muçulmanos para que evitem o contínuo genocídio contra os Rohingya, pressionando o Governo da Birmânia e Organizações dos Direitos Humanos; como disse o “Imam Khamenei” em sua mensagem para os peregrinos de Meca deste ano: "O dever de defender firmemente as minorias muçulmanas que são reprimidas como a da Birmânia é uma tarefa dos líderes dos países islâmicos, elites políticas, religiosas e culturais do mundo islâmico".

  3. Ao advertir o Governo da Birmânia sobre as consequências destes crimes, convidamos as partes a dialogar e resolver a crise no âmbito das normas éticas e do direito internacional.
  4. Em todo caso, queremos que chegue a todas as pessoas do mundo, as vozes de repudio e protestos que emanam das pessoas livres e muçulmanas para que desta forma se crie consciência entre as pessoas e acordem evitando a opressão da humanidade em nome da religião.

"الَّذينَ أُخرِجوا مِن دِيارِهِم بِغَيرِ حَقٍّ إِلّا أَن يَقولوا رَبُّنَا اللَّهُ ۗ وَلَولا دَفعُ اللَّهِ النّاسَ بَعضَهُم بِبَعضٍ لَهُدِّمَت صَوامِعُ وَبِيَعٌ وَصَلَواتٌ وَمَساجِدُ يُذكَرُ فيهَا اسمُ اللَّهِ كَثيرًا ۗ وَلَيَنصُرَنَّ اللَّهُ مَن يَنصُرُهُ ۗ إِنَّ اللَّهَ لَقَوِيٌّ عَزيزٌ"

 “Aqueles que foram expulsos de suas casas injustamente, apenas porque disseram: "Deus é nosso Senhor". Se Allah não tivesse refreado os instintos malignos de uns em relação aos outros, a ruína teria acontecido aos mosteiros, igrejas, sinagogas e mesquitas em que o Nome de Allah é mencionado frequentemente. Allah certamente ajudará aqueles que O ajudam. Na verdade, Deus é Forte, Todo-Poderoso”

(Sura Al-Hajj, versículo 40).

La Asamblea Mundial de Ahlul Bait (P) 
5 de septiembre del 2017 

/Todos os direitos pertencem de assembleia de profeta (S.A.A.S)  em Teerã/

308

 

 


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA

A MENTIRA