Irã condena assassinato de palestinos em áreas ocupadas

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã denunciou a matança e a agressão de muitos palestinos pelas forças militares do regime sionista racista.

Apesar do fato de que o regime sionista tem uma longa história de ocupação, assassinato e crime, infelizmente, o apoio indomável do presidente Donald Trump e da administração dos EUA e os esforços vergonhosos de alguns líderes neófitos na região para estabelecer relações com o regime israelense incentivar ainda mais líderes sionistas a matar jovens palestinos, disse Bahram Qasemi.

Ele também pediu à comunidade internacional que tome medidas urgentes e firmes contra os recentes crimes do regime sionista.

Neste momento, os países da região devem usar todas as suas forças nacionais e populares para combater as políticas expansionistas e anti-humanitárias dos sionistas, em vez de abordar seus conflitos internos e ameaçar outros estados islâmicos, acrescentou.

Certamente, os líderes de certos países da região que fizeram contatos secretos com o regime sionista para apaziguar os EUA são responsáveis ​​pela morte de muitos palestinos e deveriam responder à opinião pública mundial, reiterou Qasemi.

Ele se referiu a crimes recentes nos territórios ocupados como indicativos da natureza desumana desse regime.

Em outro lugar em suas observações, Qasemi sublinhou a resistência dos países muçulmanos em acabar com a ocupação e respeitar plenamente os direitos dos palestinos.

Durante os protestos pacíficos realizados pelos palestinos na Faixa de Gaza, as forças militares israelenses mataram 15 palestinos, a maioria com menos de 16 anos e feriram cerca de 1.500 outros. Isto enquanto nenhum dos manifestantes estava armado.

De acordo com o Ministério da Saúde da Palestina, 1.416 pessoas foram feridas até o momento.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016