O líder do Irã: a bandeira da supremacia cultural e identidade das mulheres estão nas mãos das mulheres iranianas

O líder do Irã: a bandeira da supremacia cultural e identidade das mulheres estão nas mãos das mulheres iranianas

Em vésperas do aniversário do nascimento de Hazrate Fátima ( que a paz seja com ela) o líder do Irã, aiatolá Seyed Ali Khamenei recebeu em audiência um grupo de Madah (narradores que cantam em luto de família do profeta do Islã).

Em declarações feitas por ocasião do Dia da Mulher, que coincide com o aniversário do nascimento de Fátima Azzahra (que a paz seja com ela), filha do Profeta do Islã, o líder iraniano elogiou a papel bem sucedido das mulheres iranianas em todos os aspectos tanto na família como no campo científico.

Ele sublinhou nesta cerimônia: “A mulher na lógica do Islã tem um contexto e um padrão completo”. A mulher muçulmana tem atributos e virtudes, uma personalidade devota, casta com dignidade, que se encarrega de educar o homem, que influencia a sociedade, participativa e desfruta de um crescimento científico e espiritual, gestora da família e o motiva de tranquilizar o homem. Acrescenta a todos estas virtudes características femininas como a gentileza e ternura do coração e a preparação para receber a luz divina.

Isto é o exemplo da mulher muçulmana. Nesta ocasião, o aiatolá Seyed Ali Khamenei criticou o duplo padrão dos ocidentais em relação às mulheres, explicando que, por um lado, eles falam de "igualdade de gênero" e, por outro lado, são assediadas, estupradas e atacadas.  Ele também acrescentou que essas ações, de acordo com suas próprias estatísticas, estão aumentando nos EUA. e a Europa.

“Em contraste com o padrão islâmico, há um padrão distorcida da mulher ocidental, que, além de todas as características distintivas da mulher islâmica, tem características como a nudez e a atração dos homens”. Enquanto o homem ocidental se veste muito formal e coberto, encorajam as mulheres a se divertirem cada vez mais vulgar e com a mínima vestimenta, nos eventos formais ocidentais. Hoje em dia a mulher ocidental é o símbolo de consumismo, uso de maquiagem, e de como se apresentar aos homens e excitando a sua sensação sexual.

“Todo o que dizem a respeito da justiça de gênero é um vazio, e na pratica é outra coisa”. Dizem em relatórios que um número considerável das mulheres que já são altas autoridades em países ocidentais quando eram jovens lhes tinham abusado e assediadas no trabalho!… o islã fecha o caminho de abuso à mulher e ela se protege com Hijab.

O Hijab protege à mulher e não a limita. Hoje a bandeira da identidade e supremacia cultural das mulheres está nas mãos das mulheres iranianas e as mulheres iranianas com sua Hijab exportam ao mundo a sua identidade cultural ao mundo.

Hoje a mulher pode ter uma presença ativa e influente nos campos sociais, as mulheres de nosso país têm tal influência e ao mesmo tempo, perseveram a sua castidade com a sua forma de vestuário (Hijab), para não estar abusadas ou assediadas por homens, não converter somente em um instrumento de prazer para os homens caprichosos.


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016