Rouhani: Irã não aceita restrições além dos compromissos assumidos no JCPOA

Rouhani: Irã não aceita restrições além dos compromissos assumidos no JCPOA

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, afirmou que Teerã não aceitaria nenhuma limitação em seu programa nuclear além dos compromissos assumidos, pelo acordo com o grupo P5 + 1.

Rouhani fez as declarações em um telefonema com seu colega francês, Emmanuel Macron, no domingo, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, tinha avisado que não iria respeitar o acordo nuclear iraniano, oficialmente conhecido como Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA), e em 12 de maio não renovaria a suspenção de sanções unilaterais.

Trump é um crítico severo de o acordo nuclear alcançado entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, China e Rússia - mais a Alemanha. Segundo o acordo, as sanções nucleares postas em prática contra o Irã foram suspensas em troca de cortes no programa nuclear de Teerã.

O presidente dos EUA, em 12 de janeiro, condicionalmente concordou em renunciar às sanções contra o Irã, que foram suspensas como parte do acordo, mas ameaçou retirar-se do acordo se algumas "falhas desastrosas" não fossem corrigidas. Ele disse que queria que os aliados europeus da América, num período de 4 meses (acabado em 12 de maio), data que o alívio das sanções voltasse a ser renovado para concordar com medidas mais duras e novas condições; caso contrário, Washington desistiria do acordo.

Outras partes do acordo criticaram as opiniões hostis de Trump, dizendo que o acordo é sólido e que provou estar funcionando. Mais cedo neste domingo, os líderes da Grã-Bretanha, França e Alemanha reafirmaram seu apoio ao acordo nuclear com o Irã, observando que esta é a melhor maneira de manter as limitações de o programa nuclear iraniano.

Rouhani disse ainda: "O destino do JCPOA após 2025 será determinado pela lei internacional e o Irã não aceitará quaisquer limitações além de seus compromissos". O presidente-executivo iraniano enfatizou que o JCPOA não está aberto à negociação.

"A sustentabilidade do JCPOA fortalecerá a segurança e a cooperação regionais... O JCPOA é a primeira base importante de confiança entre o Irã e os países ocidentais", disse Rouhani. Ele acrescentou que a posição dos EUA contra o JCPOA é uma violação gritante do acordo entre os sete países, observando que o Irã tomaria "decisões muito importantes" nos últimos dias sobre diferentes questões econômicas e relações bancárias.

"Planejamos várias medidas [para combater] qualquer decisão que os EUA tomarem em 12 de maio", destacou o presidente iraniano. Ele disse que a atual abordagem dos EUA sobre o JCPOA é uma violação do acordo e visa criar ambiguidade para diferentes países e ativistas econômicas sobre a cooperação reforçada com o Irã.

O presidente francês, por sua vez, reafirmou a importância de aumentar a cooperação entre Teerã e Paris em todas as áreas e disse que a União Europeia e a França em particular defenderiam a JCPOA e definitivamente permaneceriam no acordo. Macron acrescentou que permanecer comprometido com obrigações sob o JCPOA aumentaria a confiança e a segurança na região.

A França e outros países europeus estão determinados a permanecer no acordo nuclear, disse ele, pedindo ao Irã que também permanecesse no acordo. Macron enfatizou ainda que seu país buscava um Oriente Médio estável e acreditava que o JCPOA era um modelo importante para resolver problemas nessa região.

Falando no Congresso dos EUA na quarta-feira no último dia de uma visita de três dias a Washington, Macron disse que Paris não deixaria o acordo nuclear com o Irã.

O presidente francês acrescentou que o JCPOA não estava abordando o que ele chamou de "todas as preocupações", mas ressaltou que o acordo não poderia ser descartado.

No início de abril, a União Europeia reiterou seu forte e inequívoco compromisso com a plena implementação do acordo nuclear de 2015 com o Irã por todos os lados, dizendo que a preservação do acordo era vital.

"Os europeus sempre deixaram claro, a União Europeia sempre deixou claro que para nós, manter o acordo em vigor é vital. É um interesse estratégico para a União Europeia e vamos nos ater a ela", disse a chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, a repórteres antes da reunião do Conselho de Relações Exteriores do bloco em Luxemburgo.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016