Uso Instrumental norte-americano de Daesh se espalhou o terrorismo no Oriente Médio

Uso Instrumental norte-americano de Daesh se espalhou o terrorismo no Oriente Médio

Os Estados Unidos desempenharam um papel fundamental na propagação do Daesh e de outros grupos terroristas em todo o Oriente Médio, diz um diplomata iraniano nas Nações Unidas, condenando a nova acusação de Washington de que o Irã desestabiliza a região.

Alireza Miryousefi, porta-voz da missão iraniana na ONU, fez as observações na quarta-feira, depois que a embaixadora norte-americana, Nikki Haley, neste organismo mundial afirmou durante uma sessão do Conselho de Segurança sobre a Síria que o Irã era uma força "desestabilizadora" no conflito do país. 

Em um comunicado, Miryousefi disse que a declaração "infundada" de Haley não ajudou a minar os esforços "sinceros" do Irã para desacreditar a situação na Síria diante de "empurrão" de Washington para frustrar lhes. 

"O governo dos EUA tem sido fundamental no crescimento da Daesh e do terrorismo no Oriente Médio", disse Miryousefi. "Suas aventuras e intervenções ilegais em toda a região, especialmente no Iraque, Líbia, Líbano, Afeganistão e Síria, são desestabilizadoras e tiveram consequências desastrosas para esses países e a região".  

Mais de sete anos passaram desde o início da guerra na Síria. Muitos perguntam sobre quem é o culpado da violência prolongada. Washington não poderia "encobrir seu papel destrutivo", culpando outros países, afirmou Miryousefi.  O diplomata iraniano também questionou o apoio incondicional dos Estados Unidos a Israel, apesar do fato de que o regime de Tel Aviv é a fonte "principal" de instabilidade na região devido às suas "práticas ilegais e agressivas". 

A Rússia também criticada por EUA 

Em seu discurso, Haley também criticou a Rússia por não usar sua alavanca sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, para acabar com a guerra.  O embaixador da Rússia, Vassily Nebenzia, rejeitou a acusação, dizendo que a Rússia estava fazendo sua parte e foram os EUA e seus aliados que não usaram sua influência para acabar com violência. 

Ele também criticou Washington pelo recente "ataque" às forças pró-governo sírias na província de Dayr al-Zawr da Síria, que teria matado dezenas de pessoas, incluindo militares particulares contratados por Rússia. Síria na maioria dos tempos "perigosos e violentos". 

Também abordou a reunião do CSNU na quarta-feira, o mediador da paz da ONU, Syria, Staffan de Mistura, que disse que o conflito atingiu seu estágio mais perigoso.  "Eu tenho agora quatro anos (como) enviado especial, este é um momento violento e preocupante e perigoso como qualquer um que eu vi no meu tempo", disse ele sobre o conflito, que matou centenas de milhares de sírios e provocou a deslocação de milhões de civis desde o início em 2011. 

Depois de perder a maioria dos territórios sírios sob o seu controle, os terroristas de Daesh agora estão concentrados em Ghouta Oriental e na província do noroeste de Idlib.  

A semana passada foi uma das mais sangrentas nos últimos anos, já que as forças do governo sírio continuaram seus ataques para libertar essas áreas, onde muitos sofrem de desnutrição e falta de suprimentos médicos básicos.  "O que estamos a ver na Síria de hoje não só põem em perigo as ordens da estabilidade regional, mas também mina os esforços para uma solução política", disse ele, observando que a ONU continuaria a iniciativa de paz de Genebra, embora não tenha conseguido qualquer fruta e resultado concreto. 

O enviado especial da ONU também pediu ao Irã, Rússia e Turquia que usem sua influência regional para resolver o conflito mortal.  Os três países organizaram conversações de paz para a Síria na capital da Astúrias, no Cazaquistão, desde janeiro de 2017. Conjuntamente, agiram como estados garantes do processo de paz. 

Síria: coalizão liderada pelos EUA defendendo terroristas 

Ao abordar a reunião, o embaixador da Síria à ONU, Bashar al-Jafari observou que de Mistura se absteve de mencionar a presença de forças americanas e turcas no solo sírio.  Jafari sublinhou que até agora foram aprovadas 29 resoluções sobre a Síria pelo conselho, que destacam o compromisso de todas as partes com a soberania, a independência e a integridade territorial da Síria.  "Temos o direito de questionar as ações tomadas pelo Conselho de Segurança da ONU para garantir esses objetivos estabelecidos pelos fundadores para alcançar a paz, a segurança e a estabilidade no mundo", acrescentou.  

Ele acrescentou ainda que os EUA, o Reino Unido e a França fizeram tudo o que podiam para destruir a Síria, facilitando o movimento de terroristas na Síria com o objetivo de derrubar o governo.

O diplomata sírio continuou dizendo que alguns países ainda fornecem grupos terroristas com materiais químicos tóxicos para serem usados ​​contra a população civil da Síria, acrescentando que eles fabricam incidentes e falsos testemunhos com o intuito de enganar o mecanismo de investigação e acusam o governo sírio de realizar produtos químicos ataques.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016