Campanha contra Rohingya projetada para expulsá-los da Birmânia - relatou a ONU

  • Código da notícia : 859828
  • Font : dn
Brief

A campanha de repressão "sistemática" contra os Rohingyas foi projetada para expulsar permanentemente a minoria muçulmana das suas casas no Estado de Rakhine (oeste da Birmânia), segundo um relatório da ONU sobre direitos humanos divulgado hoje.

O relatório baseia-se em 65 entrevistas com testemunhos de dezenas de refugiados que estão no Bangladesh realizada em meados de setembro.

"Os ataques brutais contra os Rohingyas na parte norte do Estado de Rakhine foram bem organizados, coordenados e sistemáticos, com a intenção não apenas de empurrar a população para fora da Birmânia, mas também de impedi-los de voltar para casa", é concluído no relatório.

O Alto-Comissário para os Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein, destaca no relatório que a "negação de direitos pelo governo de Mianmar, incluindo a cidadania, aos Rohingyas" parece ser "uma estratégia cínica para transferir um grande número de pessoas sem possibilidade de retorno".

No documento é referido que os esforços foram feitos para "efetivamente apagar sinais de marcos memoráveis na geografia da paisagem Rohingya" e os professores, líderes religiosos e culturais foram tornados alvos.

A violência no oeste da Birmânia escalou a 25 de agosto, após uma ofensiva militar lançada na sequência do ataque, nesse dia, contra três dezenas de postos da polícia efetuado pela rebelião, o Exército de Salvação do Estado Rohingya (Arakan Rohingya Salvation Army, ARSA), que defende os direitos daquela minoria muçulmana.

O ARSA declarou, no sábado, um cessar-fogo com a duração de um mês para permitir a entrada de ajuda humanitária, algo que foi rejeitado pelo Governo birmanês.

Segundo uma estimativa das Nações Unidas, divulgada anteriormente, mais de mil de pessoas da minoria muçulmana podem ter morrido nessa vaga de violência no estado de Rakhine, um número que é duas vezes superior ao das estimativas birmanesas.

O Conselho de Segurança da ONU pediu na quarta-feira "medidas imediatas" para acabar com a violência contra os “Rohingya”, expressando "profunda preocupação com a situação atual" na Birmânia.

A Birmânia, onde mais de 90% da população é budista, não reconhece cidadania aos rohingya, uma minoria apátrida considerada pelas Nações Unidas como uma das mais perseguidas do planeta.

Mais de um milhão de rohingya vive em Rakhine, onde sofrem crescente discriminação desde o início da violência sectária em 2012, que causou pelo menos 160 mortos e deixou aproximadamente 120 mil pessoas confinadas a 67 campos de deslocados.

Um relatório publicado pela ONU na quarta-feira detalhou uma campanha das forças armadas de Mianmar para aterrorizar o Rohingya através de atrocidades que vão desde assassinatos indiscriminados até estupros.

As tropas de Mianmar costumam operar "em concertação com indivíduos armados Rakhine budistas", acrescentou o relatório. "Em alguns casos, antes e durante os ataques, os megafones foram usados ​​para anunciar:" Você não pertence aqui, vá para o Bangladesh. “Se você não sair, vamos incendiar suas casas e matá-los”, disse.  O relatório de investigação também contradiz as reivindicações do governo de Mianmar de que a repressão foi uma resposta aos ataques militantes em postos de segurança em 25 de agosto.

A sonda descobriu que a última onda de "operações de depuração" militares em Rakhine realmente começou antes dessa data, possivelmente no início de agosto.

A investigação descreve uma campanha liderada pelo exército para apagar a conexão de Rohingya com sua pátria no país maioritariamente budista. Os professores, bem como líderes culturais, religiosos e comunitários também foram alvo da última repressão "em um esforço para apagar a história, cultura e conhecimento de Rohingya", disse o relatório.

"Foram feitos esforços para efetivamente apagar sinais de pontos de referência memoráveis ​​na geografia da paisagem e da memória de Rohingya, de tal forma que um retorno às suas terras não produziria senão um terreno desolado e irreconhecível".

A equipe da ONU falou com centenas de pessoas em uma série de 65 entrevistas, algumas com indivíduos e algumas com grupos de até 40 pessoas. Os números da ONU mostram que mais de meio milhão de pessoas fugiram da violência em curso. Os pesquisadores também encontraram evidências de abusos destinados a "instilar um medo profundo e generalizado" entre os Rohingya.

Isso incluiu relatos de soldados que cercam casas e disparam indiscriminadamente, enquanto os residentes correram para suas vidas, bem como homens e mulheres de raça de bandos, uniformes, com até cinco anos.

“Uma afirmação, recebida por uma fonte extremamente credível, referia-se a uma mulher (grávida) cujo estômago estava aberto quando ela foi estuprada”.  .

Falando aos repórteres na cidade suíça de Genebra, o pesquisador Thomas Hunecke disse que a ONU tinha "informações muito credíveis" que as forças armadas de Mianmar plantaram minas terrestres ao longo da fronteira com Bangladesh. "É altamente provável que essas minas tenham sido plantadas para evitar que a população Rohingya volte".

As Nações Unidas acreditam que o governo de Mianmar pode ter cometido uma limpeza étnica e crimes contra a humanidade em sua repressão. Os Rohingya são considerados pela ONU como o "grupo minoritário mais perseguido do mundo".

A UE corta os laços com os chefes militares da Mianmar

A União Europeia deve cortar os laços com altos chefes militares de Mianmar para protestar contra o "uso desproporcionado da força" contra o Rohingya, de acordo com um acordo aprovado pelos embaixadores da UE e assinado em uma reunião de ministros dos estrangeiros na segunda-feira.

O acordo disse que a saída rápida de tantas pessoas de Rakhine "indica fortemente uma ação deliberada para expulsar uma minoria".

"À luz do uso desproporcionado da força levado a cabo pelas forças de segurança, a UE e seus Estados membros suspenderão os convites para o comandante em chefe das forças armadas de Mianmar / Birmânia e altos oficiais militares e revisarão toda a cooperação prática de defesa”, diz o acordo.

Segundo o acordo, a UE "pode ​​considerar medidas adicionais" se a crise não melhorar. O bloco atualmente proíbe a exportação de armas e equipamentos que podem ser usados ​​para "repressão interna".

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016