EUA teriam tido acesso à substância alegadamente usada para envenenar ex-espião russo?

EUA teriam tido acesso à substância alegadamente usada para envenenar ex-espião russo?

Quase 20 anos atrás, o Departamento de Defesa dos EUA esteve envolvido no desmantelamento de um instituto de investigação química na antiga república soviética do Uzbequistão, onde fora testado o agente neurotóxico Novichok, com o qual o ex-espião russo Sergei Skripal teria supostamente sido envenenado no Reino Unido.

De acordo com um artigo do New York Times publicado em 1999, os Estados Unidos cooperaram estreitamente com a antiga república soviética de Uzbequistão para descontaminar o instituto de pesquisas químicas na cidade de Nukus, descrito pelo jornal norte-americano como "uma das maiores instalações da antiga URSS para testar armas químicas".
O artigo diz que o Pentágono planejava destinar seis milhões de dólares para desmilitarizar a instalação de Nukus.

"Desertores soviéticos e autoridades norte-americanas dizem que a fábrica de Nukus era o maior lugar de pesquisas e testes de uma nova classe de armas químicas secretas e de alta letalidade, chamadas 'Novichok', o que significa em russo 'novato'", sublinhou o jornal.

Segundo o New York Times, foi um dos cientistas do instituto, Vil Mirzayanov, quem afirmou pela primeira vez que a União Soviética produzia alegadamente armas químicas, violando as convenções internacionais.

A usina fora construída em 1986 propositadamente para testar a "arma química binária Novichok, desenvolvida para evitar ser detectada pelos inspetores internacionais".

Após ter se tornado independente da União Soviética, o então presidente do Uzbequistão, Islam Karimov, decidiu renunciar às armas de destruição em massa por se preocupar com a saúde da população e o meio-ambiente.

"Desde então, o seu governo tem trabalhado estreitamente com representantes da Defesa dos EUA, concedendo-lhes acesso a lugares aonde seus colegas russos ainda não são admitidos", diz o New York Times.

Em 12 de março, a premiê britânica, Theresa May, responsabilizou a Rússia pelo envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia Skripal, após estes terem sido encontrados inconscientes na cidade de Salisbury, Reino Unido.
Em resposta, Moscou reiterou que não apenas interrompeu a produção do gás neurotóxico Novichok, alegadamente usado para envenenar Skripal, mas também destruiu todos os seus estoques, o que foi confirmado por observadores internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas.

O ex-agente secreto russo Sergei Skripal e sua filha teriam sido envenenados por uma substância tóxica em Salisbury, em 4 de março. Moscou rejeita veementemente todas as acusações.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016