Marcha de Trump para a guerra com o Irã

Marcha de Trump para a guerra com o Irã

Existe uma possibilidade muito real de que Donald Trump inicie uma nova guerra no Oriente Médio. Se essa não é a intenção dele, então a sua administração está fazendo um maldito bom trabalho fingindo.

Em julho, em um tweet, o presidente Trump ameaçou Irã, em letras maiúsculas, com "SOFRERÁ CONSEQUÊNCIAS COMO POUCOS CONHECERAM AO LONGO DA HISTORIA". Desde então, o assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, e seu secretário de Estado, Mike Pompeo, parecem estar pegando páginas do manual da Guerra do Iraque. Eles estão escolhendo inteligência e inflando ameaças. Eles estão fazendo conexões claras entre o Irã e terroristas, incluindo a Al-Qaeda e o Daesh. E eles estão aumentando o tom da sua retórica.

O próprio Trump usou seu discurso perante as Nações Unidas em 25 de setembro para, como Mitchell Plitnick observou  neste site, "defender a agressão contra o Irã e até mesmo adicionar mais obstáculos a uma resolução pacífica de tensões entre os Estados Unidos e a República Islâmica".

Essas tensões estão prestes a piorar. No início de novembro, o governo enfrentará os países que fazem negócios com o Irã com uma nova rodada de sanções severas. A probabilidade de que essa pressão exploda em conflito militar está aumentando dramaticamente.

Estratégia contraproducente

A guerra com o Irã seria um desastre doloroso e sem sentido. Isso faria as guerras no Iraque e no Afeganistão parecerem atos de aquecimento. Custaria trilhões de dólares, mataria dezenas de milhares de pessoas e desestabilizaria uma região já volátil. 

Isso provocaria uma recessão global na medida em que os preços do petróleo aumentem e a incerteza derrube os mercados. Também impulsionaria a disseminação de armas nucleares e aumentaria o risco do uso de armas nucleares.

A guerra, em qualquer cenário concebível, não levaria ao estabelecimento de um governo popular, democrático do jeito ocidental e pró-ocidental no Irã. 

Com a guerra viria o caos. 

Se o atual sistema politico caísse, o poder passaria não para os manifestantes nas ruas, mas para aqueles com as armas - a Guarda Revolucionária. Com toda a probabilidade, a guerra traria ao poder uma administração mais virulenta (na opinião ocidental) e mais antiamericana do que o atual no Irã.

“A ênfase do governo na coerção e nas ameaças de ação militar sem engajamento diplomático não fornece rampas de saída para evitar colisões”, escreveram 53 altos funcionários e especialistas em segurança nacional em um comunicado em 23 de setembro avaliando a estratégia do Irã na administração Trump. 

Tive o orgulho de me juntar à secretária de Estado Madeleine Albright, ao diretor de inteligência nacional James Clapper, ao embaixador Ryan Crocker, à embaixadora Carla Hills, ao secretário do Tesouro, Paul O'Neill, ao presidente da Universidade de Defesa Nacional, general Robert Gard, e aos outros neste apelo bipartidário para reverter o curso antes que essas políticas imprudentes nos arrastem para a guerra.

Nossos avisos caíram em ouvidos surdos. 

No dia seguinte, 24 de setembro, o Conselheiro de Segurança Nacional John Bolton expandiu dramaticamente a missão das forças de combate dos EUA na Síria, anunciando que permaneceriam naquela nação devastada pela guerra "enquanto as tropas iranianas estiverem fora das fronteiras iranianas e isso incluir proxies iranianas e milícias". Esta abordagem corre o risco de colocar os 2.000 soldados dos EUA na Síria em conflito direto com forças da Guarda Revolucionária que estavam neste país árabes.

Em 3 de outubro, Bolton comandou o pódio da Casa Branca para anunciar que o governo estava  cortando ainda mais as relações diplomáticas. Os Estados Unidos concluíram, segundo ele, o Tratado da Amizade de 1955  -  um acordo diplomático básico que regula os laços econômicos e consulares entre os Estados Unidos e o Irã -, culpando o Irã por ataques a um consulado dos EUA em Basra, Iraque, apesar de uma instalação  consular iraniana fosse igualmente atacado por uma multidão furiosa.

Ele chamou o Irã de "regime pária" e "banqueiro central do terrorismo internacional" e contesta as preocupações dos repórteres de que os EUA estejam fechando as portas para uma resolução diplomática, afirmando que as ações dos EUA "fecham portas que não deveriam ser abertas". Ele também afirmou sem evidência que "o Irã está aumentando seu programa nuclear".

Tudo isso faz parte de uma constante e coordenada batida de atividades anti-Irã. Começou com a violação dos EUA e a retirada do bem-sucedido acordo nuclear, também conhecido como Plano de Ação Integral Conjunto (JCBOA). Este acordo reduziu o programa nuclear do Irã a uma fração de seu tamanho anterior, congelou-o por pelo menos 15 anos e o colocou sob o mais intrusivo regime de inspeção já negociado. 

Mas Bolton viu isso como um obstáculo para uma estratégia de mudança de regime. Trump, obcecado em demolir tudo o que o presidente Barack Obama alcançou, ficou muito feliz em arrasar o acordo.

Isso criou uma porta que Bolton queria abrir. No dia em que Trump abandonou o acordo nuclear do Irã, Bolton sinalizou  que "o que vem a seguir" seria "uma resolução muito mais ampla do comportamento maligno que vemos no Irã". 

Ele rapidamente estabeleceu um Grupo de Ação do Irã para coordenar atividades entre as agências. A operação parece modelada no Grupo da Casa Branca do Iraque,  criado pelo governo Bush para vender o público sobre a invasão do Iraque.

 Não está claro se Trump realmente quer uma guerra, mas Bolton e Pompeo certamente parecem querer. Eles estavam falando de forma cristalina antes de uma cúpula do grupo de ódio do Irã, patrocinada pela United Against Nuclear Iran (UANI) em 25 de setembro em Nova York. Bolton ameaçou : "Deixe minha mensagem hoje ser clara: nós estamos assistindo, e nós viremos atrás de você ... Haverá de fato o inferno para pagar."

Pompeo se empilhou dizendo:

"O Irã viveu junto com outras nações em paz? Tem sido um bom vizinho? Contribuiu para a manutenção da paz e segurança internacionais ao cumprir plenamente as decisões do Conselho de Segurança? Vamos dar uma pequena volta ao mundo e você verá que a resposta é um 'não' ensurdecedor. "

Irã em comparação

O Irã é culpado de muitas atrocidades, na avalição dos chamados países defensores de diretos humanos ocidentais que estão travando muitos conflitos na região Oriente Médio, pelo seu intervencionismo. 

Aparentemente, tal comportamento não é exclusivo do Irã. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, os mais fortes apoiadores de Trump na região e os parceiros de negócios  de   Jared Kushner , também oprimem o seu povo e têm péssimos registros de direitos humanos. Um exemplo escandaloso é a guerra que os dois estão travando contra o Iêmen, que levou à morte de pelo menos 16.200 civis iemenitas e à inanição de 8.4 milhões. Os líderes desses países têm prisões repletas de presos politicos , impõem a lei da sharia a seus povos e muito mais. Os americanos não gostariam de viver sob o governo dos reinados sauditas, dos Emirados Árabes Unidos ou do Irã.

A política americana deveria ser mudar o comportamento desses regimes, e não guerrear contra eles.

Mesmo que se concorde com os objetivos do presidente, a estratégia Bolton-Trump-Pompeo não os alcançará. É por isso que me uni aos outros líderes de segurança nacional em nosso apelo por uma política mais eficaz:

"Aplicar pressão e sanções unilaterais sem opções diplomáticas viáveis ​​dificilmente produzirá o resultado desejado e poderá levar a um conflito regional mais perigoso, destrutivo e duradouro com o Irã. Uma estratégia mais equilibrada que une a pressão com uma diplomacia efetiva, vinda não apenas dos EUA, mas de todo o mundo, serão necessários para atingir os objetivos dos EUA, ao mesmo tempo em que mostram um Irã sem armas nucleares um caminho para a integração na região”.

Se as declarações fundamentadas não funcionarem, talvez a ação do Congresso seja. Em 26 de setembro, oito senadores, liderados pelo senador Tom Udall (D-NM),introduziram leis para impedir que Trump lance uma guerra inconstitucional com o Irã. "A abordagem do governo para o Irã é retirada do mesmo plano de ação que nos lançou na fracassada invasão do Iraque, e o Congresso precisa afirmar sua autoridade constitucional e parar a marcha para a guerra", disse Udall, membro das Relações Exteriores do Senado. Comitê.

O senador Patrick Leahy (D-VT) acrescentou:

"Com a Casa Branca e o Irã aparentemente em rota de colisão, todos os esforços devem ser feitos para evitar a guerra. Devemos diminuir a retórica, abrir canais de comunicação e reduzir a chance de acionar outro conflito armado em uma região onde consequências poderiam ser catastróficas”.

Esses senadores merecem amplo apoio público. Assim como a nomeação de Kavanaugh, o governo está tentando levar adiante sua política do Irã antes que qualquer um possa pará-lo. É urgente fazer todo o possível para desacelerar este vagão de guerra.

Joe Cirincione é o presidente do Fundo Ploughshares e autor de Pesadelos Nucleares: Protegendo o mundo antes que seja tarde demais. 

Este artigo foi originalmente publicado no Lobelog.

As opiniões expressas neste artigo permanecem do autor e não representam necessariamente as do IRIB em português, do seu conselho editorial ou de sua equipe.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018