O Irã desempenha um papel fundamental na luta contra a Daesh

O Irã desempenha um papel fundamental na luta contra a Daesh

"O apoio do Irã e do Movimento de Resistência Islâmica do Líbano (Hezbollah) na campanha antiterrorista na Síria foi essencial não só para apoiar o exército sírio, como para aumentar sua capacidade de combate contra um grande exercito que havia desertado realmente absorvido pelos sauditas".

É assim que Jim W. Dean, editor-chefe do site dos EUA “Veterans Today (VT)”, disse em uma entrevista com a Agência de Notícias da República Islâmica (IRNA) no domingo sobre o papel do Corpo de Guardas da Revolução Iraniana (IRGC) em ajuda aos governos iraquiano e sírio na sua luta contra o grupo terrorista Daesh.

Além de elogiar o papel do Irã na luta contra a Daesh, ele assegurou que os iranianos tenham desempenhado um papel fundamental para ajudar a organizar os vários grupos antiterroristas sírios.

"Os locais podiam então assumir o controle da segurança local em áreas que haviam sido despejadas pelos terroristas, de modo que o poder de combate do Exército não foi diluído por um trabalho de guarnição sem fim". Ele continua dizendo que os russos estavam atualizando e substituindo as antigas armas sírias, além de fornecer o treinamento de manutenção técnica necessário.

E mesmo os oficiais sírios, antigos e novos, passaram pelo treinamento de operações combinadas para uma estreita coordenação entre os vários ramos da inteligência, a ciber- guerra, os drones e até o aumento da atuação de Forças Especiais.

"Ninguém esperava uma mudança no rumo dos acontecimentos como os que vimos na Síria, uma amarga derrota para os EUA, Israel e os governos da costeira do Golfo Pérsico, e, portanto, para a coalizão dos EUA que tenta puxar a brasa par o seu lado, com a sua contínua missão desenfreada para justificar sua permanência na Síria agora com os curdos como suas forças permanentes na região", lembrou o cientista político americano.

Ao comentar a abordagem dos EUA para aumentar a presença militar no Afeganistão em vez de cooperação regional para enfrentar os desafios de segurança no país, ele disse: "Diplomacia é um caminho para uma solução que iria levar a uma eventual pressão para retirada das tropas dos EUA, mas os EUA preferem manter suas bases no Afeganistão para se aproximarem do Irã, da Rússia e da China".

"Quando os EUA entraram no Afeganistão, a al-Qaeda somente tinha mil forças, o ressurgimento do Talibã e agora a presença de Daesh que se somam a outras resurgentes, tendo 16 anos de guerra, os EUA continuam a pressionar por uma vitória militar, quando todos os outros concordam que não é viável e que apenas causaram mais guerras.

Em outra parte de seus comentários, ele se referiu à parceria entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita no contexto das políticas de combate ao terrorismo dos EUA, sublinhando "Este foi um casamento feito no inferno". O poder militar dos Estados Unidos ligado ao país árabe mais rico e ao maior comprador de armas americanas é apenas uma tela de fumaça religiosa para cobrir o extremismo wahhabita que explodiu há muito tempo na região, onde até tinham um grande número de crianças nas madrasas (escolas religiosas) treinadas para o controle e lavagem mental como futuros lutadores dessa guerra.

“A Guerra contra o Terror transformou-se em uma Guerra do Terror, mas nossa mídia supostamente ignorou o óbvio e abandonou seu dever sagrado de manter o público informado sobre o que seu governo realmente estava fazendo”, concluiu Dean.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016