UE furiosa com outros estados que comemoram a saída dos EUA do acordo com o Irã

UE furiosa com outros estados que comemoram a saída dos EUA do acordo com o Irã

Rússia, China e Turquia veem a retirada dos EUA do acordo nuclear com o Irã uma oportunidade, enquanto os europeus lutam para proteger seus negócios de novas sanções americanas.

Moscou disse na sexta-feira que um pacto de livre comércio será assinado na próxima semana entre o Irã e a União Econômica da Eurásia, que inclui o Cazaquistão, a Bielorrússia, a Armênia e o Quirguistão.

O assessor de relações exteriores do presidente Vladimir Putin, Yuri Ushakov, disse que o acordo comercial está em discussão há muito tempo.

A decisão, no entanto, coincidiu com a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear de 2015 com o Irã, que preparou o cenário para a reinserção de sanções econômicas contra o Irã e abalou muitos aliados dos EUA.

Ushakov disse que a saída dos EUA pode ajudar a aproximar a Rússia e as nações europeias. Ele disse que o presidente russo, Vladimir Putin, discutirá a retirada de Washington do acordo iraniano com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, Emmanuel Macron, que devem visitar a Rússia no final deste mês.

Merkel fará uma viagem à Rússia na próxima sexta-feira e Macron deve se reunir com Putin durante um fórum de negócios em São Petersburgo na próxima semana.

O cientista político independente Vladimir Sotnikov disse que Moscou continua menos exposta às consequências econômicas das sanções dos EUA do que a Europa e que suas empresas podem se beneficiar da medida.  

"O acordo e o levantamento de sanções em 2015 marcaram a inserção dos europeus no mercado iraniano e o retorno dos negócios europeus. Mas é improvável que eles possam continuar fazendo negócios hoje, dando espaço para a Rússia", disse ele a Agencia France Presse. "A Rússia pode agora avançar a toda velocidade", disse ele.  

A situação poderia revitalizar os laços econômicos russo-iranianos que vêm perdendo terreno nos últimos anos. Em 2017, o comércio bilateral atingiu US $ 1,7 bilhão, 20% a menos que no ano anterior e bem abaixo dos US $ 3 bilhões no final dos anos 2000. 

O vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, disse em Teerã nesta quinta-feira que os dois países pretendem continuar "toda a cooperação econômica". 

"Não temos medo de sanções", disse Ryabkov.  

Segundo Igor Delanoe, analista do grupo Observatório Franco-Russo, as empresas russas continuaram trabalhando no Irã "sem qualquer problema", mesmo quando as sanções estavam em vigor. 

"Eles estão acostumados a trabalhar dentro de restrições legais e econômicas. Alias, são os  EUA que sistematicamente puxaram o Irã a se voltar mais para a Rússia e a China", disse ele à AFP. 

Desde o levantamento das sanções, a Rússia assinou uma série de acordos para desempenhar um papel nos setores de energia e eletricidade do Irã. Ela também quer vender aço, infra-estrutura de transporte e outros produtos manufaturados para o país persa. 

"Quanto menos concorrência dos EUA e da UE, melhor", disse Charlie Robertson, analista da Renaissance Capital, segundo a AFP. 

China

A China também disse que queria continuar com os laços comerciais normais com o Irã e atualmente está financiando projetos bilionários de infraestrutura e eletricidade no país. 

Na quinta-feira, a China lançou um projeto de serviço de um trem de carga que liga suas regiões do norte a Teerã, no que poderia ser um grande projeto de conectividade de vital importância para o fluxo de comércio entre os dois países.   

A conexão ferroviária entre Bayannur, na Região Autônoma da Mongólia Interior da China, e a capital iraniana encurtará a carga em 20 dias.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse na quinta-feira que o Irã e a China "manterão os laços econômicos normais e o comércio".

"A diferença é que a China tem mais empresas isoladas do mercado dos EUA - e das possíveis sanções", disse Dina Esfandiary, seguradora do King's College London. 

"E mesmo que elas não estejam isolados, tudo o que o governo chinês precisa fazer é criar novas empresas separadas", disse o Washington Post. 

Turquia

Outro país com grande participação na economia iraniana é a Turquia, que não escondeu sua alegria na sexta-feira, quando o ministro da Economia, Nihat Zeybekci, disse que a decisão dos EUA era uma "oportunidade" para Ancara, observando que seu país "continuará a negociar com o Irã".

Ele também minimizou as preocupações sobre as penalidades de Washington, dizendo: "Eu não vejo nada de grande para se preocupar neste momento".

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ligou ao presidente do Irã, Hassan Rouhani, nesta quinta-feira, dizendo que Ancara continuaria a respeitar o pacto nuclear, oficialmente conhecido como Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA).

Os dois lados também discutiram o desenvolvimento das relações econômicas, disse uma fonte presidencial turca. 

União Europeia

Entre os aliados de Washington, o clima não é comemorativo, já que as maiores economias da Europa estão fazendo lobby para proteger os investimentos de suas empresas no Irã. 

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, disse que os países europeus devem pressionar mais duramente o governo Trump pelo acordo nuclear com o Irã e não agir como "vassalos" para os EUA.

Le Maire propôs a criação de um órgão europeu que teria o mesmo tipo de poder que o Departamento de Justiça dos EUA tem para punir empresas estrangeiras por suas práticas comerciais.

"Queremos ser vassalos que obedecem a decisões tomadas pelos Estados Unidos enquanto se agarram à barra de suas calças?", Perguntou Le Maire. "Ou queremos dizer que temos nossos interesses econômicos, consideramos que continuaremos a fazer negócios." com o Irã?

As empresas europeias e americanas podem perder bilhões de dólares em acordos comerciais firmados desde o acordo nuclear iraniano de 2015 e perder o acesso a um importante mercado de exportação.

As fabricantes Airbus e Boeing, companhias de petróleo e montadoras, como a francesa Renault e a Peugeot, podem estar entre as empresas mais atingidas.



Le Maire disse que a França está pressionando por isenções para suas empresas, mas que ele não tem "ilusões" sobre uma generosa resposta americana.

A Europa não deve aceitar que os EUA sejam o "policial econômico do mundo", disse ele na rádio Europe-1.

As exportações francesas para o Irã dobraram para 1,5 bilhão de euros (US $ 1,79 bilhão) no ano passado, impulsionadas por jatos e aeronaves e partes de automóveis, segundo dados da alfândega.

As exportações de mercadorias alemãs para o Irã aumentaram em cerca de 400 milhões de euros, atingindo 3 bilhões de euros. Cerca de 120 empresas alemãs têm operações com suas  próprias contrapartes iranianas, incluindo a Siemens, e cerca de 10 mil empresas alemãs negociam com o Irã.



Contornar as sanções contra Teerã funcionou mesmo em um momento em que a Rússia e a China concordaram em isolar o Irã, até certo ponto, sobre seu programa nuclear, antes do acordo de 2015. Agora, evitar ações punitivas seria ainda mais fácil, escreveu o Washington Post na sexta-feira. 

"Os dias de isolamento global internacional do Irã acabaram", disse Esfandiary, embora tenha advertido que "há menos disposição para irritar os EUA na Europa do que na China".

O Washington Post abordou algumas das maneiras que os europeus podem usar para contornar as sanções dos EUA. 

“Em vez de negociar em dólares americanos, a China e a Europa poderiam usar suas próprias moedas, por exemplo. Também há planos para criar fundos separados e bancos que os Estados Unidos seriam incapazes de punir por terem laços com o Irã ”, sugeriu o jornal. 

Entidades chinesas também podem atuar como intermediárias para empresas europeias que querem continuar negociando. 

"Se a Europa recorrer ao conhecimento chinês para contornar as sanções dos Estados Unidos, os Estados Unidos poderão descobrir que o país está isolado nesta situação, afinal não é o Irã, mas sim a si mesmo", disse o jornal.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016