TUDO SOBRE O ARBAEEN DO IMAM HUSSEIN (A.S.)

O Arbaeen marca a primeira visita que o Imam Hussein (A.S.) recebeu após o seu martírio, visita esta realizada pelo grande companheiro do Profeta Mohammad (S.A.A.S.), chamado Jabber ibn Abdillah Al-Ansari o qual se encontrou com o Imam Ali ibnol Hussein (A.S.) e a família de Zainab (A.S.) em Karbala quando foi visitar o Imam Hussein (A.S.).

O Imam Sajad (A.S.), filho do Imam Hussein (A.S.), e Zainab Al-Kubra (A.S.), irmã do Imam Hussein (A.S.), narraram a Jaber o ocorrido em Karbala, citando detalhes da tragédia que levou ao martírio do Imam Hussein (A.S.) e seus companheiros. Também existem narrativas que indicam que quarenta dias após o martírio do Imam Hussein (A.S.) as cabeças dos mártires companheiros do Imam (A.S.) foram enterradas em Karbala, isto foi no dia 20 de Safar, dia que a caravana dos familiares de Hussein (A.S.) passou por Karbala ao retornar de Sham e deu o último adeus ao Imam (A.S.), enterrando as cabeças do Imam (A.S.) e seus companheiros. Ao decorrer do tempo todos os Imames (A.S.) afirmaram a importância e a grande recompensa desta grandiosa Ziyarah (visitação), o que é citado nas narrações dos livros de tradição e história islâmica, configurando o Arbaeen como um evento de grandes proporções, sendo hoje uma das maiores peregrinações do mundo.

Milhões de muçulmanos seguidores da linhagem dos Ahlul Bait (A.S.) amantes da liberdade e da pura fé islâmica entraram por terra e pelo ar no território iraquiano nas últimas duas semanas. Os aeroportos das cidades de Najaf Al-Ashraf, 75 Km de Karbala, e Bagdá, a 200 Km de Karbala, e outros acesso fronteiriços ficaram lotados de peregrinos, que chegavam 24 horas por dia no Iraque para celebrar a cerimônia do “Arbaeen”, celebrada 40 dias após o martírio do Imam Hussein (A.S.) em Karbala.

A tradicional caminhada a Karbala realizada pelos peregrinos é uma cerimônia tradicional e histórica, que se estende há mais de 13 séculos. Sendo que no passado os peregrinos eram perseguidos, torturados, presos e até mesmo martirizados apenas por seguir esta tradição. O exemplo mais contemporâneo é o do regime de Saddam Hussein, que governou o Iraque de 1979 até 2003, período em que perseguiu peregrinos e visitantes do Imam Hussein (A.S.), e muitos perderam suas vidas nesta caminhada. Mas mesmo assim os peregrinos nunca deixaram de realizar esta cerimônia, por lealdade ao “Símbolo da Rejeição à Opressão e Injustiça”.

A caminhada a pé até Karbala que normalmente começava em cidades iraquianas, este ano começou em cidades iranianas que fazem fronteira com o Iraque. Milhares de peregrinos iranianos e estrangeiros que entraram ao Iraque via fronteira terrestre caminhavam longamente de cidades próximas da fronteira e seguiam a pé até cidade de Karbala. A distância varia de 95 Km do posto fiscal de fronteira de Mehran (Irã) – Badra e Jassan (Iraque) ou 575 km do posto Shalamjah (Irã) – Basrah (Iraque).

Uma das questões que mais preocupa os leigos quando ouvem a respeito do Arbaeen é o quesito da alimentação destas grandes multidões. Milhares de caravanas e grupos iraquianos, e até mesmo estrangeiros, se estabelecem nos percursos que levam até a cidade de Karbala para ter a honra de alimentar gratuitamente todos os peregrinos, com todos os diversos tipos de alimentos. A montagem de tendas de alimentação denominado “Markab”, é um meio de ajuda a peregrinos e uma tradição dos voluntariados para servir os fieis e os amantes do Imam Hussein(AS). Dezenas de voluntários trabalham dia e noite nestas caravanas e localidades, para ter a honra de servir aos peregrinos quando estiverem passando na frente de suas tendas ao decorrer da caminhada. Homens, mulheres, jovens, idosos, crianças, deficientes físicos e até mesmo os mais necessitados se sentem horados em poder servir de uma forma ou de outra, mesmo que simples, os peregrinos de Karbala.

Centenas de mesquitas, Husseinies e salões de orações também abriram suas portas para receber os milhões de peregrinos que caminham na jornada rumo a Karbala, e ao mesmo tempo milhares de tendas improvisadas na extensão do caminho inteiro foram montadas para o descanso e acomodação dos peregrinos. Até mesmo moradores de aldeias e cidades que ficam as margens das rodovias principais que levam a Karbala abriram as portas de suas próprias casas para terem a honra de atender os peregrinos, que descansam, se alimentam ou até passam a noite nestas casas. O dono da casa se honra ao servir os peregrinos, e até mesmo lavam suas roupas.

Para aqueles que durante a caminhada não conseguiram continuar a pé por qualquer motivo, foram disponibilizados veículos para fazer o trajeto de várias cidades iraquianas até Karbala. Para este fim, até mesmo veículos particulares, caminhões, ônibus e vans estão fazendo este trajeto, para a comodidade dos peregrinos.

Se precisar de algum atendimento emergencial de saúde as pessoas não precisam se preocupar, pois bases populares de atendimento emergencial, acompanhadas de ambulâncias e supervisionadas por membros de hospitais e clínicas foram disponibilizadas ao decorrer do caminho inteiro. Remédios de diversos tipos são distribuídos nestes postos, contando sempre com a presença de médicos.

Ao decorrer do percurso foram criadas diversas programações culturais islâmicas, como os locais onde se pode aprender melhor a leitura do Alcorão Sagrado e suas recitações. Professores de árabe e de Alcorão Sagrado estão prontos para aperfeiçoar a leitura dos peregrinos no decorrer do trajeto até Karbala.

O mais impressionante é que mesmo com um gigantesco número de peregrinos não se registra nenhuma briga ou discussão ao decorrer da caminhada.

Durante a celebração do Arbaeen centenas de líderes religiosos e seguidores de escolas islâmicas diversas participam nesta cerimônia para demonstrar sua solidariedade e simpatia com a causa do Imam Hussein (A.S.), o qual não foi o Imam de um grupo ou sociedade e sim o Imam e líder de toda a humanidade contra a injustiça e opressão. Dezenas de autoridades iraquianas, desde o primeiro ministro, ministros e comandantes militares verificaram de perto os serviços de segurança prestados pelo governo e acompanham todo a rede de serviços totalmente voluntários prestados por parte da população.

O mais impressionante é a classe diversificada de pessoas que fazem esta peregrinação, que vai desde o jovem até as crianças, bebês, mulheres, homens, idosos e até mesmo deficientes físicos. Todos se honram ao realizar este trajeto para visitar o Imam Hussein (A.S.), renovando seus votos de fidelidade para com a sua mensagem, que nada mais é que a mensagem da essência do Islã como prega a tradição do Profeta Mohammad (P.E.C.E), a mensagem que reprime a opressão e a injúria aos seus princípios.

Anualmente, centenas de meios de comunicação, locais e internacionais, estão presentes no Iraque para cobrir este evento que é considerado um dos mais grandiosos do mundo islâmico, e que revela a mensagem do Islã contra a injustiça e opressão, como pregada pelo Imam Hussein (A.S.) e seus companheiros em Karbala.

O que afirmar que o importante não é a quantidade de pessoas que lutaram ao lado do Imam Hussein (A.S.), pois que foram poucas e foram martirizadas, o mais importante é que a mensagem do Imam Hussein (A.S.) chegou às nações, e foi este o destino desenhado por Deus para esta grandiosa personalidade da história do Islam. Sua mensagem foi de rejeição à injuria e hipocrisia dos governantes que se nomeavam como islâmicos, mas que nada mais os interessava do que a permanência em seus postos e a corrupção, e no fundo eles nem ao menos tinham uma verdadeira crença no Islã, algo que foi claramente demonstrado pelo vil e desviado governante da época, Yazid ibn Mu´awiyah.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016