O especial com motivo do aniversário do falecimento do Imam Khomeini

O especial com motivo do aniversário do falecimento do Imam Khomeini

Em dois de Junho de 1989, o povo do Irã lamentou a perda do seu grande líder da revolução. O Guia da revolução, Imam Khomeini, levou o Irã a uma vitória singular entre todas as revoluções no mundo. Depois do triunfo da revolução, ele fundou o sistema da República Islâmica do Irã e por uma década estava no comando de todos os eventos internos, neutralizando as hostilidades vindas do exterior.

Imam Khomeini estava perante uma guerra desigual de oito anos provocado por ex-ditador iraquiano com apoio dos ocidentais, para proteger o novo governo do Irã, preservando os ideais da revolução, defendendo a integridade territorial do seu país.

Muitos analistas acreditavam que o poder de Imam Khomeini era a fonte de estabilidade e continuidade da República Islâmica do Irã. Os inimigos da revolução esperavam que com a saída dele ficasse intensificado as divisões internas, fragilizada a unidade nacional e solidariedade política do país que havia sido forjado por Imam. Mas, naquele momento histórico sensível, a Assembleia de Peritos do Irã, como representante do povo elegeu como sucessor de atual líder da Revolução, o aiatolá Sayed Ali Khomeini. O novo líder da revolução, seguindo as instruções e rumo traçado por fundador da revolução, orientou o país, atravessando o perigo e removendo os inimigos.

O aniversário do falecimento deste grande homem é uma boa oportunidade para falar novamente de suas características intelectuais e políticas singulares na liderança da revolução islâmica para que o mundo de hoje, especialmente o mundo do Islã ( que esta sofrendo da forte divisão), compreenda  o seu pensamento, os quais consolidaram não somente o seu país, mais também o mundo perante os regimes hegemônicos, sabendo também das lições que  precisa tirar das ideias e orientações deste grande líder iraniano.

O Imam Khomeini deu seus primeiros passos no caminho do estabelecimento da revolução islâmica, através  de centros religiosos, onde ele ensinou assuntos religiosos e com as palestras que proferiu sobre o papel do Islã na administração da comunidade, pavimentando o caminho para que a sociedade iraniana possa trilhar em direção ao progresso e realizar as suas aspirações.

Naquele momento, os comentários e opiniões de Imam Khomeini tinham sido transmitidas através de gravações em fitas e comunicadas em todo o país, que foram emitidas por meio de uma rede de interconexão de mesquitas e centros religiosos, criando um vínculo entre a liderança e o povo.

O papel impressionante do líder da revolução islâmica, na queda da monarquia foi crucial, considerado por alguns especialistas como importantes e de grande importância.

Notamos isso, conforme a análise da personalidade do Imam Khomeini, que como líder supremo da Revolução Islâmica no Irã, foi capaz de tomar decisões sábias nos assuntos globais, tão corajosas, pensativas e conscientes, que beneficiou de maneiras inovadoras a criação da maior revolução contemporânea.

Relacionado à revolução islâmica, o grande pensador e teólogo iraniano, o falecido aiatolá Motahari, escreve em um dos seus livros "Eu vi três pontos seguros no Imam Khomeini o que me fez consolidar a mais confiança nele. Acreditar nos objetivos, isto é, embora o mundo a se unisse contra ele não pode impedi-lo de seu objetivo. Acreditar no povo, e o mais importante, a confiante em Deus e o Sua ajuda divina”. Com estes três pilares, o Imam Khomeini, e o seu teórico do movimento islâmico e fundar o sistema da República Islâmica do Irã, poderiam ser realizados, com o seu melhor papel da liderança.

No período contemporâneo, pensadores como Seyed Jamaledin Asadabadi, Sayed Qutb e Hassan Albana, tentaram despertar o mundo muçulmano, no entanto, nenhuns deles não tiveram as condições e o lugar certo para realizar seus objetivos e ideais e apenas conseguiram registrar para sempre os seus nomes na história. Mas o movimento de Imam Khomeini passou todas as barreiras, influenciando especialmente os países islâmicos.

O papel fundamental da liderança do Imam Khomeini, inevitavelmente foi o despertar o mundo islâmico. O Imam Khomeini foi pioneiro no grande movimento islâmico do mundo.

Ele não tinha medo de qualquer poder e, em todos os momentos, com a sua vida simples, devoção, fé em Deus e piedade, bem como a moralidade, mudou o significado do poder no mundo. Ele não se importava no aspecto material ou a gloria do poder. A legitimidade e a popularidade de Imam Khomeini se tornavam global.

O atual líder da Revolução Islâmica no Irã, o aiatolá Khamenei, sempre falou  sobre o poder, a experiência e a liderança do aiatolá Khomeini e descreveu a grandeza da sua obra assim: "Ele foi um modelo completo de um muçulmano exemplar e obviamente de um líder islâmico, engrandeceu o Islã e levantou a bandeira do Alcorão em toda a parte do mundo. Na época em que todos os poderes políticos tentavam separar o Estado da religião e da espiritualidade e os valores morais, Imam Khomeini, criou um sistema baseado na religião, espiritualidade e os valores morais, e fundou um governo e uma política islâmica. Durante dez anos, dirigiu, salvaguardou a República Islâmica dos terríveis tormentos e acontecimentos decisivos, trazendo-a a porto seguro, 10 anos de liderança e gestão de nosso povo, deixou uma bela e inesquecíveis lembranças. "

Olhando a história, os altibaixos da revolução islâmica, podemos entender que a revolução como uma necessidade histórica e inevitável , tem instituído  como um símbolo de justiça na era contemporânea. Em uma era secular e materialista, alguns homens corajosos e com uma visão ampla, olhando mais perto de Deus, intelectuais , se levantaram para ajudar a religião de Deus. Eles ofereceram a luz da justiça e da espiritualidade ao mundo sedento pela justiça.

O Imam Khomeini depois da vitória da Revolução Islâmica indicou  metas e um programa audacioso . Ao contrário dos seculares, não achava que a religião é unicamente a adoração e uma pratica individual, mas acreditava do Islã, inclui até seus pormenores instruções sobre os comportamentos mais privados e pessoais, como as regras sobre a execução dos programas comunitários. Ele criou a teoria “Wilayat Faqih” que consolidou a vitória da Revolução Islâmica para o estabelecimento de um sistema democrático islâmico substituindo um sistema monárquico despótico e corrupto.

Hoje, os inimigos do Imam Khomeini e da revolução, com um plano macabro e sofisticado usam grupos terroristas de takfiris e o Daesh para criar discórdia no mundo muçulmano e lançaram um programa para desacreditar e retratar uma falsa imagem do Islã a visão dos públicos mundiais. Eles estão tentando fortalecer esses grupos e apresentar um sério desafio para com o discurso da Revolução Islâmica em face da liberdade e independência minando o islamismo.

As nações inocentes especialmente no mundo não-muçulmano devem estar em alerta sobre a  realização de perigosa  trama sionista-americana, porque o resultado das atividades deste grupo, aparentemente  muçulmano  é salvaguardar os interesses do Ocidente, especialmente os Estados Unidos e o regime sionista.

O que pode salvar o mundo atual  e as nações inocentes da  pressão e intervenção de estrangeiros nos seus assuntos e do despotismo e da injustiça é a retorica da revolução islâmica e as ideias de seu fundador Imam Khomeini, que Deus o abençoe e descanse em paz eterna.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Quds cartoon 2018
Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016