a garantia de uma vida digna aos pobres

a garantia de uma vida digna aos pobres

o Islam incentiva os ricos ajudarem os pobres, e tabem obrigou o estado a garantir uma vida digna para eles e É uma obrigação que está incluída no sistema que organiza as relações entre o governo e os governados , o governante deve sustentar os pobres de seu próprio bolso a fim de atender às suas necessidades Como o zakat. o zakat faz parte de um plano islâmico geral para que haja equilíbrio e se obtenha um nível geral unificado de vida na sociedade islâmica, vincular o zakat ao governante e considerá-la um instrumento que ele utiliza para garantir a previdência social na sociedade islâmica .

Quando o Islam incentiva os ricos ajudarem seus irmãos e vizinhos pobres, é uma coisa certa, mas o Islam não se contentou apenas com esse incentivo e com a educação ética; obrigou o estado a garantir uma vida digna aos necessitados.
É uma obrigação que está incluída no sistema que organiza as relações entre o governo e os governados. O Imam Mussa Ibn Jaafar (A.S.) disse, definindo a responsabilidade do governante no dinheiro do Zakat:
O governante arrecada o dinheiro e o destina às oito categorias definidas por Deus: para os pobres e necessitados. divide-o na quantidade suficiente para o sustento de um ano sem aperto ou constrangimento. se sobrar algo deve ser devolvido ao governante. se faltar e as necessidades não forem atendidas, o governante deve sustentar os pobres de seu próprio bolso a fim de atender às suas necessidades.
está claro nesse texto acima, que a garantia de uma vida digna para todos, não é uma idéia de pregador, mas faz parte das responsabilidades do governante no Islam. assim, ela faz parte da organização da sociedade, e apresenta um lado dos aspectos do planejamento islâmico da vida econômica.
Há uma grande diferença entre os textos seguintes: certamente, não crê em Deus e no dia do Juízo Final aquele que dorme saciado enquanto seu vizinho passa fome.
e o seguinte texto:
O governante deve sustentar os pobres de seu próprio bolso a fim de atender as suas necessidades.
O primeiro tem aspecto exortativo e mostra o lado moral dos ensinamentos islâmicos. o segundo tem aspecto organizacional e reflete, por isso, um outro lado do sistema islâmico. não pode ser definido a não ser como parte da metodologia islâmica geral para a sociedade.
O zakat é, sem dúvida, um dos mais importantes rituais, junto com a oração e o jejum. o seu círculo religioso não é o suficiente para provar que não se inclui no conteúdo econômico e que não representa a existência de uma organização social da vida econômica no Islam.
Vincular o zakat ao governante e considerá-la um instrumento que ele utiliza para garantir a previdência social na sociedade islâmica - como vimos no texto anterior - é o suficiente para destacar o zakat de todos os outros rituais individuais. É uma prova que ele não é apenas um ritual individual, mas um treinamento ético para o rico ser compassivo para com o pobre e é uma organização social para a vida das pessoas.
Além disso, o próprio plano legislativo - da obrigação do zakat  reflete a doutrina geral no Islam.

 Os textos sobre o zakat mostram que ele deve ser dado aos necessitados até que eles tenham um nível digno de vida. Isso prova que o zakat faz parte de um plano islâmico geral para que haja equilíbrio e se obtenha um nível geral unificado de vida na sociedade islâmica. É claro que o planejamento equilibrado não é um ato de pregação, mas um pensamento organizacional à altura de uma doutrina econômica.[1]

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2018