Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016

  • Código da notícia : 777038
  • Font : abna
Brief

E todo louvor pertence a Allah, o senhor do mundo e a saudação de Allah estejam com nosso amado Profeta Mohamad (saaws) e a todos os seus descendentes e nobres companheiros e sobre aqueles que os seguem retamente até o dia da ressurreição.

Irmãos e irmãs muçulmanos de todo o mundo.

Para os muçulmanos, a temporada do Hajj é um período de honra e glória para os olhos de todos os seres humanos, e um período para a iluminação dos corações , humildade e suplicas diante do Criador(1). Hajj é uma obrigação divina, comunitária, sagrada e mundana. Por um lado [o Alcorão] ordena “relembrar de Alá como recordais aos vossos antepassados e com fervor! “ (2); “Recordais de Alá nos dias determinados” (3); e outra parte a declaração que “[Masjid Al-Haram é um lugar] que temos designado para os homens; igualmente são estes residentes da mesma ou de fora” lança luz sobre seus infinitos e diversos aspectos. (4).

Nesta obrigação única em seu tipo, concede a seguridade temporal e serenidade nos corações dos seres humano como a  claridade de uma estrela brilhante e libera os peregrinos do Hajj do assédio dos fatores de inseguridade [criado] por tiranos e hegemônicos, que sempre tem ameaçado toda a humanidade, e deixe desfrutar do prazer de segurança durante um período específico.

O Hajj, Abraamico, o qual o Islã deu aos muçulmanos é a manifestação de dignidade, espiritualidade, unidade e gloria. Este mostra a grandeza da nação islâmica e sua dependência no eterno poder divino para os malévolos e inimigos e põe em relevo sua distância desde o ponto da corrupção, humilhação e opressão, que potencias internacionais impõe as sociedades humanas.  O Hajj islâmico e monoteísta é a manifestação de fé [o verso corânico que descreve os fiéis como] “firme contra os infiéis, [e]compassivos entre si” (5). Se trada de um cenário de desautorização  dos politeístas e [promoção] da amizade e unidade com os crentes.

Aqueles que tem reduzido o Hajj, a uma simples viagem de peregrinação-turismo e tem ocultado sua inimizade e rancor contra os fiéis e a nação revolucionaria do Irã abaixo do título da “politização do Hajj” são insignificantes e menosprezados demônios que se estremecem tão pronto como as ambições do grande satã, EUA, são postos em perigos . Os governantes sauditas, que tem obstaculizados o caminho até Allah e a Masjid Al-Haram (6) este ano e bloqueado o caminho aos ferventes e fieis peregrinos iranianos a Casa do Amado, desonraram as pessoas equivocadas, que vinculam sua supremacia no trono de seu poder opressivo e na defesa das potencias arrogantes mundiais e [formar] aliança com o sionismo e EUA. E fazem esforços para satisfazerem suas demandas e não se apartam de qualquer ato de traição até tal fim.

Ao passar de um ano transcorrido desde dos horríveis incidentes de Mina (7)em que várias pessoas, no dia do Eid (Festa) e vestidos como o Ihram [as vestes do peregrino], perderam a vida tragicamente embaixo do sol e com os lábios sedentos. Pouco antes na grande mesquita, um grupo [de peregrinos] morreram enquanto estavam circulando e recitando orações. Os governantes sauditas são os culpados em ambos os incidentes, este é algo em que todos os assistentes ao Hajj, observadores e analistas técnicos estão de acordo, alguns experts inclusive especularam a intencionalidade do incidente. Ao demorar e negligenciar em salvar as vidas das pessoas feridas, cujas encantadas almas e corações estavam ocupadas com o zhikr [recordação de Deus] e sussurrando os divinos versos do Alcorão no dia do Eid al-Adha como provamos os criminosos homens sauditas os colocaram junto com os mortos em ambientes fechados e os martirizaram no lugar de proporcionar tratamentos a eles, incluso dar água aos seus lábios sedentos.

 Milhares de famílias de distintos países do mundo perderam seus entes queridos e suas nações foram afligidas pela dor. Da República Islâmica, foram cerca de 500 mártires, os corações de suas famílias, todavia se vê em feridos e privados deles e a nação está em dor e enfurecida.

Sem embargo, no lugar de oferecer desculpas e expressar seu pesar e processar quem está detrás deste horrível incidente o governo Saudita inclusive negaram a formação de uma comissão de investigação islâmica internacional em um definitivo ato de descaso. No lugar de acolher a posição como demandados, eles tomaram o posto de reclamante e se puseram a manifestar sua antiga posição de inimizade com a República Islâmica   e com qualquer bandeira islâmica que é contra a blasfêmia, arrogância, impiedade e insolência. Suas medidas propagandistas, tanto dos políticos cujo comportamento vis-à-vis sionistas e EUA. É uma fonte de vergonha ao mundo islâmico, como os muftis ímpios vivendo de renda haram [ilícito]  que emitem decretos religiosos (Fatwa)  contra o Livro [Sagrado] e a Sunnah (a tradição do Profeta do Islã) a lacaios dos meios de comunicação, se queira pela consciência profissional, estão fazendo um intento inútil para sustentar que a República Islâmica é a responsável da negação ao Hajj de seus peregrinos este ano. Os governadores sediciosos, que tem enredado o mundo muçulmano em guerras civis, na matança de inocentes e quem têm manchado de sangue o Iêmen, Iraque, Líbia e alguns outros países equipando e formando grupos Takfiris e malignos; políticos  ateus, que têm estendido a mão de amizade ao regime sionista e têm feito vista grossa ante o sofrimento desgarrador e a difícil situação dos palestinos e têm ampliado o alcance de sua opressão e traição as cidades e povos do Bahrein; governantes infiéis e inconscientes que causaram a grande tragédia de Mina  com o pretexto de serem eles os guardiões das Mesquitas Sagradas [Meca e Medina] burlaram a Santidade do Santuário Divino e sacrificaram os hospedes de Deus o Misericordioso no dia do Eid em Mina e antes disso na Grande Mesquita, agora eles estão proclamando o tema de não politizar o Hajj e acusando os outros dos grandes pecados que eles mesmos têm cometidos ou causaram o que ocorrera (8). Estes são um exemplo flagrante da clara expressão do Sagrado Alcorão que diz: “Eis que a sua intenção é percorrer a terra para causar a corrupção, devastar as semeaduras e o gado, mesmo sabendo que a Deus desgosta a corrupção.

206 .Quando lhe é dito que tema a Deus, apossa-se dele a soberbia, induzindo-o ao pecado. Mas o inferno ser-lhe-á suficiente castigo. Que funesta morada! ” (9)

Também este ano, segundo informes, ademais de bloquear os peregrinos do Irã (10) e de algumas outras nacionalidades, eles (os Sauditas) foram submetidos os peregrinos de outros países a baixo de uma vigilância sem precedentes (11) com a ajuda de dispositivos de espionagem proporcionados pelos EUA e o regime sionista e têm feito com que a Casa de Deus seja insegura para todos os seus hospedes (12). O mundo islâmico, incluindo os governos das nações muçulmanas, devem conhecer os governantes sauditas e verdadeiramente dar-se conta da realidade de sua natureza sangrenta, infiel, dependente e materialista; não devem deixá-los ir impunimente depois de todos os crimes que têm cometidos no mundo muçulmano, porem em resposta ao seu trato injusto dos enviados de Deus Misericordioso eles devem pensar em uma solução fundamental para a gestão dos lugares Santos e na questão do Hajj. O descuido nesta responsabilidade exponha rá a comunidade islâmica a maiores problemas no futuro. Irmãos e irmãs muçulmanos. Este ano, os entusiasmados e devotos peregrinos iranianos estão privados dos rituais do Hajj, porém eles estão presentes com seus corações ao lado de junto com os peregrinos do Hajj de tudo o mundo e se preocupam por eles e oram para que permaneçam a salvo de qualquer dano dos tiranos. Recordem de seus irmãos iranianos em suas orações e atos de adoração e orem para as comunidades muçulmanas para que se desfaça de seus problemas e terem as mãos das potencias arrogantes, sionistas e carrascas cortadas as Ummah Islâmica  Eu pessoalmente honro a memória dos mártires de Mina e da Mesquita Al-Haram do ano pasado e os mártires de Meca [ peregrinação do Hajj] de 1987 (13) e rezo a Deus Todo Poderoso para que conceda Deu perdão e misericórdia sobre eles e lhes reserve altas posições [nos céus]. Saudando sua Eminencia Baghiatallah al-Azam (Imam Mahdi), e solicito que a venerável figura aceite a oração para a exaltação da comunidade islâmica e a salvação dos muçulmanos da sedição a malevolência dos inimigos. E a providência pertence a Allah e a confiança está Nele.  Seyed Ali Khamenei  Final do mês Zighada do ano de 1437 15 do mês de Shahrivar de 1395 5 de setembro de 2016

 

 

  1. Súplica
  2. Sura al-Baqarah, verso 200
  3. Sura al-Baqarah, verso 203
  4. Sura al-Hayy, parte do versículo 23
  5. Sura Fath, parte do versículo 29.
  6. Impedir o caminho a Deus e a Mesquita Sagrada (Masjid al-Haram)
  7. Aterrador.
  8. Causado, provocado.
  9. Sura al-Baqarah. Verso 205 y 206.
  10. Dissuadir, impedir, obstaculizar.
  11. Fora do comum, insólito.
  12. Hospedes.
  13. A tragédia da Sexta-Feira Sangrenta, em Meca, é outro exemplo de hostilidades dos EUA 6 Dhul-Hijjah (1407 AH) durante a temporada de Hajj e posterior a cerimonia de bera'at do politeísmo e os politeístas, por medo de forças dos governantes do regime saudita e a profanação do Santuário divino quase 400 iranianos e não iranianos e, sua maioria mulheres foram assassinados e várias vezes este número resultaram feridos. 

308

 

 


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Mensagem do Imam Khomeini para os muçulmanos do mundo pela ocasião do Hajj 2016
A MENTIRA

A MENTIRA

O Perdão

O Perdão