?>

Após pressão dos EUA, Irã recebe visita de chefe de agência nuclear da ONU: 'abordagem neutra'

Após pressão dos EUA, Irã recebe visita de chefe de agência nuclear da ONU: 'abordagem neutra'

O Irã elogiou o resultado de uma cúpula com o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, que viajou a Teerã em meio a crescentes tensões geopolíticas em torno do programa nuclear do país.

Ali-Akbar Salehi, chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, disse durante uma entrevista coletiva nesta terça-feira (25) que as negociações foram "construtivas" e que ambos os lados concordaram que a AIEA cumprirá suas responsabilidades independentes e profissionais.

De sua parte, o Irã se comprometeu a cumprir seus compromissos com o órgão de vigilância nuclear da ONU.

A reunião marca a primeira visita de Grossi ao Irã desde que assumiu o cargo em dezembro. O chefe da AIEA declarou após a cúpula que não havia política nos bastidores em sua viagem.

"Nós temos uma cooperação construtiva que vai continuar [...]. Nós mantivemos conversações construtivas, e foi decidido que a agência continuaria trabalhando profissionalmente e nós honraríamos nossos compromissos", explicou Grossi, de acordo com a mídia estatal iraniana Tasnim.

Teerã negou que a visita de Grossi estivesse ligada às tentativas de Washington de impor sanções "instantâneas" ao Irã. Os EUA acusaram a República Islâmica de violar seus compromissos no âmbito do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), apesar de o governo Trump ter desistido do acordo em 2018.

Gossi havia explicado anteriormente que o objetivo da reunião era garantir que os inspetores de sua agência tivessem acesso às instalações nucleares suspeitas no país.

O Irã tem repetidamente chamado a comunidade internacional para honrar seu lado do JCPOA, e criticou os signatários europeus do acordo por não fazerem mais para resistir às sanções unilaterais de Washington sobre Teerã. Washington tem lutado com membros do Conselho de Segurança da ONU, incluindo aliados Reino Unido e França, sobre seu desejo de aumentar as sanções ao Irã.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*