Brasil convida a militares dos EUA a treinar na Amazônia

Brasil convida a militares dos EUA a treinar na Amazônia

O Exército dos EUA realizarà em novembro um exercício militar por convite do Brasil na triplo fronteira que compartilham Brasil, Colômbia e Peru.

A informação foi  revelada pela BBC Brasil e confirmada pelo Exército desse país. O exercício realizarà durante o dia 6 e 13 de novembro nas cidades de Tabatinga (Amazonas), Leticia (Colômbia) e Santa Rosa (Peru), com o nome da Operação América Unida, e participarão tropas dos três países da fronteira e dos EUA.

Segundo o Exército brasileiro, um dos objetivos do exercício, chamado AmazonLog, é "aumentar a capacidade de resposta rápida multinacional, especialmente no campo da logística humanitária e o apoio de afrontamiento de delitos multinacionais".

Também tem por objeto "contribuir o fortalecimento das indústrias de defesa", "procurar soluções coletivas de logística" e "atividades de transporte de provas, fornecimento e manutenção", entre outros.

O número de soldados que irá participar não se definiu. A atividade inspira-se em um exercício realizado pela Organização do Tratado do Atlántico Norte (OTAN) no Hungria em 2015, na que Brasil participou como observador.

No entanto, o Ministério de Defesa de Brasil assegurou que não está prevista a instalação de uma base estadounidense nesse lugar.

A realização conjunta de exercícios militares na região amazônica é inédita, mas não é a primeira vez que as Forças Armadas de Brasil trabalham com as dos EUA.

No ano passado, as Marinhas dos dois países realizaram uma atividade preparatoria para os Jogos Olímpicos de Rio de Janeiro, com a vista posta em possíveis ataques terroristas.

Diante disso, em 2015,  porta-aviões dos EUA passou pela costa dos estados do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro para um treinamento da Força Aérea Brasileira.

 

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

پیام رهبر انقلاب به مسلمانان جهان به مناسبت حج 1441 / 2020
Não ao acordo do século