Brasil solidariza com famílias das vítimas e formula votos de plena recuperação dos feridos

O governo da República Federativa do Brasil expressou as condolências, por meio de um comunicado divulgado na segunda-feira, pela escalada de violência contra o povo palestino na última sexta-feira pelo exército israelense na Faixa de Gaza, um crime que deixou 18 mortos e 1.400 feridos.

"O governo brasileiro manifesta grande preocupação com o quadro de violência na fronteira entre Gaza e Israel, no último dia 30 de março, que deixou ao menos 17 palestinos mortos e mais de 1.400 feridos, expressa condolências às famílias das vítimas e formula votos de plena recuperação dos feridos”, vem na nota.

 “O governo brasileiro conclama a moderação e reitera o imperativo da plena observância do direito internacional e do direito humanitário”.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, e a EU manifestaram “profundamente preocupado” com os confrontos na Faixa de Gaza e pediram “uma investigação independente e transparente a estes incidentes e o uso de munições reais pelo exército de Israel na fronteira com Gaza durante confrontos que fizeram pelo menos 18 mortos e centenas de feridos”.

“O uso de munições reais deve ser objeto de uma investigação independente e transparente”, afirmou a Alta Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, sublinhando que o bloco comunitário lamenta as mortes e endereça as suas condolências às famílias das vítimas. A liberdade de expressão e a liberdade de reunião são direitos fundamentais que devem ser respeitados", acrescentou a representante, falando em nome dos 28 países-membros da UE.

Milhares de palestinianos marcharam na sexta-feira em direção à barreira fronteiriça que separa a Faixa de Gaza de Israel, mais de 30 mil segundo o exército israelita e cerca de 40 mil de acordo com fontes palestinianas, para defender “o direito de regresso” dos refugiados palestinianos às terras que tiveram de abandonar durante a guerra da independência israelita de 1948 e denunciar o bloqueio rigoroso em vigor contra este enclave palestiniano.

O protesto intitulado "A Grande Marcha do Regresso", convocado pelo movimento palestino Hamas e que deve durar cerca de seis semanas, degenerou em confrontos com o exército israelita. Pelo menos 18 palestinos perderam a vida e mais de 1.400 pessoas ficaram feridas. A maioria (758 pessoas) apresentava ferimentos provocados por balas reais disparadas pelas forças israelitas. Os restantes foram feridos por balas de borrachas e pelos efeitos do gás lacrimogéneo usado pelos militares israelitas.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu-se de urgência na sexta-feira à noite para discutir a violência na Faixa de Gaza, mas não conseguiu acordar uma declaração conjunta, por oposição dos EUA.

308


Conteúdo relacionado

Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

Arbaeen
Notícias do luto ao Imam Hussein pelo mundo
پیام رهبر انقلاب به مسلمانان جهان به مناسبت حج 1440 / 2019