?>

China acusa EUA de 'brincarem com fogo' após passagem de navio de guerra pelo estreito de Taiwan

Pequim condenou a ação da Marinha dos EUA, afirmando que tal ação não faz mais que "interromper e minar a paz regional e estabilidade".

Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, reagiu em briefing diário à passagem de um navio de guerra dos EUA pelo estreito de Taiwan, sublinhando não ser a primeira vez que a Marinha dos EUA mostra seu poder na área alegando "liberdade de navegação" para justificar "provocações".
"Os EUA devem corrigir seus erros imediatamente, deixar de realizar provocações e brincar com fogo, [...] devem desempenhar um papel construtivo para garantir a paz na região e sua estabilidade", disse o diplomata.

Em vez de defender "um Indo-Pacífico livre e aberto", como indicou o comunicado oficial da 7ª Frota das Forças Armadas dos EUA sobre o evento, Washington realizou "uma tentativa deliberada de perturbar e minar a paz regional e estabilidade", acrescentou Zhao.

O USS Milius, um navio de guerra norte-americano, atravessou na terça-feira (23) o estreito de Taiwan, passagem descrita como "rotineira" e "de acordo com a lei internacional" pela Marinha dos EUA.

A área costeira da China e o mar do Sul da China têm sido territórios de periódicas tensões entre Pequim e Washington, com frequentes passagens de navios e exercícios navais conduzidos pelos EUA e seus aliados na região.
A China, por sua vez, tem respondido com seus próprios exercícios militares, incluindo com a Rússia, e feito incursões na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan, não reconhecida por Pequim. Pequim também não reconhece Taiwan como país desde a formação da República Popular da China, em 1949, e pretende um dia realizar a reunificação com o território.

...........

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*