?>

Hojjat-ol-eslam Nejati explicou: A constante repetição da destruição de Baqii no mundo islâmico

Hojjat-ol-eslam Nejati explicou: A constante repetição da destruição de Baqii no mundo islâmico

Diretor da Unidade de Pesquisa Baqii do Instituto da Peregrinação e visitação, Lembrando que segundo o pensamento extremista wahhabi, a destruição dos túmulos dos profetas continua no mundo, disse: “Mais do que um confronto militar e emocional, é necessário um confronto ideológico e racional para corrigir o pensamento extremista; Os confrontos militares com o pensamento extremista não são suficientes.

O dia 9 de Shawwal coincide com o aniversário da destruição do Cemitério Baqiya (a destruição total do Cemitério Baqiya ocorreu uma vez em 1806 dC e uma vez em 1926 dC Um cemitério com uma grande herança mundial e islâmica que foi saqueado e destruído devido à ascensão ao poder dos partidários do pensamento extremista em nome do Islã.

Quando o wahabismo governou a Arábia Saudita, em Meca, as cúpulas dos túmulos de Abdul Muttalib (a.s), Abi Talib (a.s), Khadijeh (a.s), o local de nascimento do Profeta (s.a.a.s) e Fátima Zahra (a.s), Khizaran, o lugar secreto de adoração do Profeta (s.a.a.s), o túmulo de "Eva Em Jeddah e outros túmulos, ele destruiu e depois foi para Medina e bombardeou a cúpula iluminada do Profeta, e foi apenas a declaração de guerra e a ameaça dos países islâmicos que impediram a destruição do túmulo do Profeta do Islã. O wahabismo destruiu os túmulos dos quatro Imames infalíveis (a.s) e saqueou todos os tesouros e presentes valiosos que tinham um valor material e histórico muito significativo.

A destruição do túmulo do Imam Hussein (a.s), a repetição dos atentados no santuário de Samerra, os atentados no santuário do Imam Reza (a.s), a destruição do túmulo de hejr ibn oday, etc. que ocorreram no mundo seguindo a mesma ideologia wahhabi, mas quais liçoes o mundo islâmico devem aprender?

Hojjat-ol-eslam Mohammad Saeed Nejati, Diretor da Unidade de Pesquisa Baqii do Instituto da Peregrinação e visitação e responsável pela Secretaria do Congresso de Baqii,em entrevista à IQNA, ele falou sobre as lições que os muçulmanos do mundo deveriam aprender com a catástrofe da destruição de Baqii e disse: Não devemos pensar que a destruição de Baqiya aconteceu na história e terminou. O ISIS não conseguiu destruir locais religiosos no Irã, mas ele destruiu centenas de santuários sagrados no norte da África, Iraque, Síria e etc.

Ele acrescentou: "O ISIS tem uma ideologia extremista baseada na qual mata muçulmanos em muçulmanos, e no Afeganistão, Paquistão, etc., ainda está matando muçulmanos com a mesma ideologia". A este respeito, grande sabio Allama Sharaf al-Din em uma de suas proclamações pela destruição de Baqii advertiu a todos os muçulmanos que se vocês não removerem a raiz deste câncer da sociedade islâmica, o derramamento de sangue será derramado mais tarde e crimes serão cometidos.

Hojjat-ol-eslam Nejati afirmou ao final: um confronto militar com o ISIS e os esforços dos defensores do santuário foram necessários em algum momento, mas mais do que um confronto militar e emocional, é necessário um confronto ideológico e racional para corrigir o pensamento extremista; Os confrontos militares com o pensamento extremista não são suficientes. A destruição é o oposto do diálogo, e a base da destruição é a opinião desrespeitosa dos outros.

..............

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*