?>

Irã cita Hiroshima e diz que Israel e EUA são ameaças nucleares para o Oriente Médio

Irã cita Hiroshima e diz que Israel e EUA são ameaças nucleares para o Oriente Médio

O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse nesta quinta-feira (6) que os EUA e Israel representam uma ameaça nuclear para o Oriente Médio

A declaração coincide com o 75º aniversário do lançamento da bomba atômica em Hiroshima, no Japão. O ministro das Relações Exteriores do Irã mencionou o fato em postagem no Twitter.

"Setenta e cindo anos atrás, os Estados Unidos conquistaram a infâmia de se tornar o primeiro e único usuário de armas nucleares. E contra inocentes", afirmou Zarif.
O chanceler complementou afirmando que as armas nucleares dos EUA e de Israel são atualmente uma "ameaça para nossa região".

Zarif disse ainda que "já é hora de acabar com o pesadelo nuclear e a doutrina MAD de Destruição Mútua Assegurada", segundo a qual dois lados em conflito assumem ter armas capazes de destruir o inimigo.

A primeira bomba atômica empregada em uma guerra foi lançada contra Hiroshima em 6 de agosto de 1945, pelo avião B-29 chamado Enola Gay. O número de mortos foi de aproximadamente 140.000.

75 years ago today, the US gained the infamy of becoming the 1st and ONLY user of nuclear weapons. And against innocents.

Today, US & Israeli nukes threaten our region.

It's long overdue to end nuclear nightmare & the #MAD doctrine of Mutually Assured Destruction.#Hiroshima75 pic.twitter.com/DxrzVM29by

— Javad Zarif (@JZarif) August 6, 2020
​75 anos atrás, os EUA conquistaram a infâmia de se tornar o primeiro e único usuário de armas nucleares. E contra inocentes. Hoje, armas nucleares dos EUA e de Israel ameaçam nosso região. Já é hora de acabar com o pesadelo nuclear e a doutrina MAD de Destruição Mútua Assegurada

Fim de acordo nuclear
Embora Israel não admita possuir armas nucleares, acredita-se que o país é o único do Oriente Médio a possuir esse tipo de tecnologia de guerra.

O Irã era acusado por países ocidentais de buscar a fabricação de armas nucleares. Por meio de acordo entre Teerã e o Grupo 5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), assinado em julho de 2015, o Irã se comprometeu a limitar seu programa nuclear em troca do fim do embargo contra o país.

No entanto, em maio de 2018, o presidente estadunidense, Donald Trump, decidiu retirar Washington do acordo e impor novas sanções contra Teerã, o que elevou as tensões entre os dois países.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*