?>

Irã inicia produção de urânio metálico, segundo Agência Internacional de Energia Atômica

Irã inicia produção de urânio metálico, segundo Agência Internacional de Energia Atômica

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou que o Irã iniciou a produção de urânio metálico, violando o Plano de Ação Conjunto Global, acordo internacional assinado pelo Irã há seis anos.

No dia 8 de fevereiro, os inspetores da agência confirmaram que que foi produzida uma pequena quantidade de urânio metálico, 3,6 gramas, em uma instalação na província iraniana de Isfahan, segundo a agência de notícias AP.

Em janeiro, a AIEA indicou que o Irã havia informado sobre o início da instalação de equipamentos para a produção de urânio metálico, adicionando que o país mantém seus planos para realizar pesquisa e desenvolvimento desta produção, como parte de seu "objetivo declarado de projetar um tipo melhorado de combustível".

EUA negociam 'frente unificada' com a Europa para discutir programa nuclear do Irã, diz assessor

No entanto, o urânio metálico pode ser usado para a produção de armas nucleares e, por isso, sua pesquisa foi proibida pelo Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA).

Após o anúncio, a Alemanha, a França e o Reino Unido observaram que Teerã não possui "nenhum uso civil convincente" para o urânio metálico. Sua produção "tem potencialmente implicações militares graves", declararam.

Por sua vez, o porta-voz do MRE iraniano, Saeed Khatibzadeh, declarou que o "urânio metálico também tem aplicações civis".

"Uma série de países estão utilizando atualmente o combustível com base metálica para seus reatores e isso não contradiz os compromissos do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares e garantias [da AIEA para instalações e materiais nucleares]", afirmou.
Além disso, ele ressaltou que a "tecnologia é uma necessidade no Irã, que deve atender às demandas de pacientes da medicina nuclear da melhor qualidade, completamente baseada em fins humanitários e pacíficos".

Enquanto isso, o representante do Irã na AIEA, Kazem Gharibabadi, indicou em dezembro que o trabalho para o desenvolvimento do novo combustível é realizado em três etapas e que na primeira delas foi produzido urânio metálico através da utilização do urânio natural.

Ele também precisou que a AIEA foi informada há dois anos sobre o plano de Teerã, que deve "colocar tecnicamente o Irã entre os países líderes na produção de novos combustíveis".

O JCPOA foi firmado em 2015 por Teerã e o grupo 5+1 (Reino Unido, China, França, Rússia, EUA e Alemanha).

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*

پیام رهبر انقلاب به مسلمانان جهان به مناسبت حج 1441 / 2020
Não ao acordo do século