?>

Não é possível interferir no preço dos combustíveis no Brasil, diz ministro de Minas e Energia

Não é possível interferir no preço dos combustíveis no Brasil, diz ministro de Minas e Energia

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, afirmou, nesta terça-feira (21), que o governo não tem poder para interferir no preço dos combustíveis, em meio à nova troca de comando na Petrobras após pressões do presidente, Jair Bolsonaro.

"Eu entendo que muitos dos senhores são cobrados pela população, porque é difícil para a população entender por que o governo não interfere no preço dos combustíveis. Com toda a transparência, eu preciso ser claro: não é possível interferir no preço", disse o ministro a deputados federais, durante audiência pública na Câmara, nesta terça-feira (21).

Segundo Sachsida, o governo tenta "amenizar o problema" com a redução de impostos federais, afirmando que não existe "bala de prata" nem "salvador da pátria".
"Não está no controle do governo. E, honestamente, preço é uma decisão da empresa, não do governo. Além disso, nós temos marcos legais que impedem intervenções do governo na administração de uma empresa, mesmo o governo sendo o acionista majoritário", afirmou o ministro.

Sachsida foi convidado pela Câmara dos Deputados para falar sobre o preço dos combustíveis e a intenção do governo de privatizar a Petrobras.

De acordo com o ministro, o nome de Caio Paes de Andrade, favorito do governo para assumir o cargo deixado por José Mauro Coelho, "satisfaz todos os critérios necessários para estar à frente" da estatal.
"Eu respeito o presidente José Mauro [Coelho], ex-presidente da Petrobras. Todo respeito a ele, ao CA [Conselho Administrativo], seus diretores. Mas, tão logo eu assumi como ministro, eu achei por bem promover uma troca na empresa, porque acredito que é o momento de aumentar a competição. Não há como ajudar o consumidor brasileiro com a estrutura atual", disse Sachsida, conforme noticiou o jornal Folha de S.Paulo.
O PL, partido de Bolsonaro, articula a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a companhia na casa legislativa. A apoiadores, o presidente disse, nesta segunda-feira (20), que está "acertando uma CPI na Petrobras".
"Sobre a questão de ser a favor ou contra uma CPI, eu respeito as decisões do Congresso Nacional. Se as decisões do Congresso Nacional forem por uma CPI, saibam que o Ministério de Minas e Energia estará ao lado do Congresso Nacional providenciando as informações, requerimentos necessários", afirmou Sachsida. "Se o Congresso achar por bem não ter uma CPI, vamos continuar a nossa parceria, vamos continuar seguindo em frente."

.............

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*