?>

O especial do Nascimento auspicioso do Imam Hussein ( que a paz e a benção divina esteja com ele )

O especial do Nascimento auspicioso do Imam Hussein ( que a paz e a benção divina esteja com ele )

Este é um programa para comemorar o nascimento do Imam Hussein (as), introduzindo os seus méritos e virtudes. O Profeta Mohammad (P.E.C. E) disse: “Aquele que ama Al-Hassan e Al-Hussein o amo também, e a quem eu amo Deus o ama; e quem Deus ama, Ele fará entrar no paraíso. Porém quem os desprezar, eu o desprezarei, e quem eu desprezar Deus o desprezará, e quem Deus desprezar o lançará no inferno!” “Al-Hussein é de mim e eu sou de Al-Hussein!”.

Imam Al-Hussein Ibn Ali (Senhor dos Mártires), nasceu na cidade de Medina, no Hijáz, no dia 3 do mês de Chaaban do ano 627 d.C. Naquele dia feliz , o profeta estava ao lado da sua filha , a Fatemeh(S.E), esperando o nascimento do seu filho, e por ordem de Deus Supremo, o Mensageiro de Deus o chamou de Al-Hussein. Assmá, filha de Omeir, narra que quando Hussein (A.S.) nasceu o Profeta Mohammad (P.E.C.E) disse: “Ó Assmá, traga o meu filho”. Em um pano branco, enrolei Hussein e o levei ao Profeta; então, sussurrou-lhe o Adhan no ouvido direito e o Iqama no esquerdo e depois o colocou em seu colo e chorou. Perguntei o motivo pelo qual o Profeta de Deus (P.E.C.E) chorava e este respondeu: “Choro pelo meu filho”.

Caros ouvintes parabenizando por ocasião do aniversário do Imam Hussain (a.s.), passamos minutos que você, falando das virtudes dessa eminente líder islâmico.

A vida do Imam (A.S.) é uma escola de valores humanos, um símbolo de justiça social e política. Ela abrange a luz e a orientação de todas as pessoas na diversidade de suas línguas e nacionalidades. Vamos apresentar, sucintamente, algumas de suas características morais, que são: Dentre a excelência da conduta do pai da liberdade, o Imam Hussein (A.S.), temos a rejeição da injustiça. Pai da Liberdade é um dos seus importantes apelidos, que se espalhou entre as pessoas. Ele ergueu o símbolo da justiça e da dignidade, traçando o caminho da honra e da glória. Ele não se submeteu às tentações dos omíadas e preferiu a morte sob a sombra das espadas. Dentre as excelências de conduta do Imam, está a benevolência. Ele retribuiu o mal com o perdão e a benevolência, como fez o seu avô, o Mensageiro de Deus (S.A.A.S.), que cumulou todas as pessoas com a sublimidade de sua conduta. A benevolência do Imam se espalhou e as pessoas comentavam ao seu respeito. Dentre as excelências da conduta do Imam (A.S.) também estão a sua dedicação total a Deus e o ato de refugiar-se n’Ele, frutos de seu amor a Deus. Os historiadores dizem que ele fez tudo que o aproximasse rapidamente de Deus. Ele orava muito, jejuava, peregrinava, dava muita caridade e praticava o bem. Eis alguns métodos de sua piedade.

O Imam Al-Hussein (A.S.) se desenvolveu e cresceu sob a sombra de seu avô, do qual absorveu o ensino do Islã, porém sempre conivente com seu pai o Imam Ali e sua mãe Fátima “Azzahra” (A.S.), juntamente com seu irmão mais velho Al-Hassan. Aliás, ambos são considerados a verdadeira Linhagem da Casa Profética, da Revelação, isto é, da Inspiração.

O Imam possui uma grande posição no Alcorão Sagrado, pois é um dos membros do “Kisa”,

os quais foram mencionados no versículo da purificação dos Ahlul Bait que diz: “... Em verdade, Deus só deseja afastar de vós à abominação, ó Ahlul Bait, bem como purificar-vos integralmente” (surata Ahzab– V. 33).

E também no versículo do amor aos Ahlul Bait: “... Não vos exijo recompensa alguma por isto, senão o amor aos meus parentes (Ahlul Bait)...” (surata Al-Shaura – V. 23).

Ele é um dos quatro o qual o Profeta Mohammad (P.E.C.E) levou para o dialogo com os cristãos: “Porém, àqueles que discutem contigo a respeito dele, depois de te haver chegado o conhecimento, dize-lhes: Vinde! Convoquemos os nossos filhos e os vossos, e as nossas mulheres e as vossas, e nós mesmos e vocês; então, deprecaremos para que a maldição de Deus caia sobre os mentirosos” (surata Al-Omran– V. 61).

O Imam Hussein , juntamente com os Ahlul Bait (A.S.), foi a referencia dos seguintes versículos do Alcorão Sagrado, os quais apresentam e declaram a obediência e pureza nas intenções e no sacrifício: “5. Em verdade, os justos beberão, em uma taça, um néctar, mesclado com cânfora. 6. De uma fonte, da qual beberão todos os servos de Deus. Eles a fazem fluir abundantemente, 7. Porque cumprem os seus votos e temem o dia em que o mal estará espalhado, 8. E porque, por amor a Ele, alimentam o necessitado, o órfão e o cativo. 9. (Dizendo): Certamente vos alimentamos por amor a Deus; não vos exigimos recompensa, nem gratidão. 10. Em verdade, tememos, da parte do nosso Senhor, o dia da aflição calamitosa. 11. Mas Deus os preservará do mal daquele dia, e os receberá com esplendor e júbilo; 12. E os recompensará, por sua perseverança, com um vergel e (vestimentas de) seda.” (surata Nessa).

Há dezenas de outros versículos que nos apresentam e identificam a posição do Imam Hussein (A.S.) entre a nação. O Mensageiro de Deus (P.E.C.E), Mohammad ibn Abdillah, falou sobre a posição do Imam al-Hussein disse: “Então ama-o e ama quem o ama, Ó Senhor, ame quem ama Hussein...”.

O Mensageiro de Deus (P.E.C.E) discursou sobre a posição de Hussein (A.S.) e disse: “Ó povo, este é Hussein ibn Ali, seu avô e sua avó estão no paraíso. Seu pai e sua mãe estão no paraíso. Jamais alguém foi ou terá uma geração igualada a de Hussein ibn Ali entre todas as gerações dos profetas.”.

Certo dia um homem chamado Ui’la Al-Amari saiu da casa do Profeta Mohamad (P.E.C.E) e reparou que ali na porta estavam algumas crianças a brincar, entre elas, o neto do Profeta, Hussein, e pôs-se a observar. Logo, também saiu da casa o profeta Mohammad (P.E.C.E) e alguns de seus companheiros; o profeta viu Hussein, abriu os braços e foi em sua direção, num gesto carinhoso brincou correndo atrás dele e ao alcançá-lo beijou suas bochechas e na sua pequena boca.

A mãe de Hussein ibn Ali (A.S.) é Fátima Azzahra, senhora das mulheres do universo, que Deus se agrade com o seu agrado e se ire com a sua ira. Seu pai é o Príncipe dos Fiéis, o senhor dos sucessores é o portal da cidade de conhecimento do Profeta Mohammad (P.E.C.E). Seu avô materno é o selo dos Profetas e Mensageiros, Mohammad ibn Abdillah (P.E.C.E), e seu avô paterno é Abu Taleb, o protetor do Mensageiro de Deus (P.E.C.E). Sua

Avó materna é Khadija Bin Khuyailed, a primeira esposa do Mensageiro de Deus (P.E.C.E) e a qual dedicaram toda sua riqueza ao Islã. Sua avó paterna é Fátima Bin Asad a qual deu a vida ao Ali ibn abi Taleb (A.S.) dentro da Caaba, e a qual eram como uma mãe para o Mensageiro de Deus (P.E.C.E). Seu irmão por parte de mãe e pai é o Imam Hassan al-Mujtaba (A.S.) o senhor dos jovens do paraíso, e suas irmãs, Zainab al-Kubra e Om Kolthum.

Imam Hussain (S.E) sempre foi guardião dos valores da religião e das tradições do Profeta. Ele não hesitava em qualquer esforço para exaltação dos nobres objetivos do Islã. O Imam Hussain era um homem de pensamento livre, lutava contra opressão, não aceitava injustiça e submisso, tendo uma posição imbatível. Ele era intransigente contra a tirania e opressão e atrocidades, livre e humano e combatente da liberdade da justiça, deve ser o herói da liberdade. Quando na crise da tirania, estava na encruzilhada de escolher a submissão e compromisso com a tirania e opressão, ou confronto heroica, ele escolheu o martírio, "não! Nunca acontecerá que o Hussein aceitasse a injustiça e desprezo...” isto é o Estatuto de libertar a injustiça e tirania, um legado eteno para humanidade, quando disse: juro por Deus de universo não obedecerei aos invasores e tiranos e não fugirei do campo de batalha como os escravos. "

Ele quando se levantou contra injustiça e tirania, explicou a sua motivação dizendo: Testemunho que não há Deus exceto Deus, único e sem associados, e que Mohammad (P.E.C.E) é seu servo e mensageiro, que veio com a verdade da parte do verdadeiro. Que o

Paraíso e o inferno são reais e que a hora chegará, não há dúvidas quanto a isto, e Deus ressuscitará aqueles que estão nas tumbas. Não me levantei despreocupadamente nem de forma dissipada. Mas sim para aplicar a correção e buscar a orientação na nação do meu avô Mohammad (P.E.C.E) e do meu pai Ali ibn abi Taleb (A.S.). Quem aceita isto, sem dúvida que Deus é merecedor dele, caso contrário, perseverarei até que Deus julgue a verdade entre mim e o povo, pois Ele é o Melhor dos Juízes. (.) Meu êxito só se encontra em Deus. Nele confio e para ele me volto... .

Existiram motivações políticas, sociais e religiosas que incentivaram Hussein (A.S.) a iniciar o seu levante e revolução, e dessa forma enfrentar Yazid ibn Mu´awiyah. Jamais existiram motivos pessoais por parte do Imam Hussein (A.S.). Uma das primeiras motivações de sua revolução foi o desrespeito e as contradições em relação aos princípios e jurisprudências islâmicas. No momento que o Imam al-Hussein (A.S.) percebeu estas falhas sociais e políticas, que os governantes não se apegavam nos princípios e que as pessoas estavam numa situação de perdição política, ele, através de seu protesto e responsabilidade religiosa, sendo um Imam e um exemplo para a nação, se levantou e não deu o voto da fidelidade ao governante injusto que queria o seu voto. Neste momento o Imam al-Hussein (A.S.) recebeu o pedido do voto de fidelidade por parte do representante do governante em Medina, sofrendo.Ameaças de morte caso não desse este voto ao governante. O Imam Hussein (A.S.) ficou furioso com estas ameaças e disse: “Somos os Ahlul Bait (A.S.) da profecia, a essência da mensagem, o destino dos anjos, conosco Deus abriu (a Mensagem) e a finalizará, e Yazid é um homem pecador, bebedor de bebida alcoólica, assassino da alma preservada, e um corrupto. Alguém como eu jamais dará o voto de fidelidade a ele. Mas, ao amanhecer veremos com quem está a razão e a verdade, e quem é o verdadeiro merecedor do califado e do voto de fidelidade.”.

“Somos de Deus, e a Ele retornamos. O Islã se acabará caso a nação seja comandada por um líder igual à Yazid. (...). Como estas palavras o Imam Hussein (A.S.) apresentou sua posição sobre a legalidade deste governante e ao mesmo tempo declarou que o voto de fidelidade a este governante é um ato ilícito e pecaminoso, um grande crime sobre Deus, o Islã, e a nação. Ele explicou os motivos da sua revolta:

-Desviar os princípios da religião islâmica com o nascimento de Bid´ah na religião.

-A popularidade do mal e dos pecados entre as sociedades.

-Dominar as riquezas do governo e a sua utilização para os interesses pessoais dos governantes.

-Espalhar a cultura da prostração e rendição perante qualquer governo. Isso através de falsos ditos.

- Se entregar aos os costumes da ignorância pré-islâmica.

- Escolher os piores homens para o governo só porque eram membros da casa Omíada.

-Utilização de meios injustos e desviados para colocar terror na população e na sociedade.

- Prender os sábios e personalidades islâmicas que seguem os Ahlul Bait (A.S.).

-Tomar o voto de fidelidade da população para Yazid ibn Mu´awiyahà força. Especialmente entre os lideres das tribos.

-Distrair a nação islâmica com assuntos desnecessários, afastando-os dos assuntos importantes.

-Glorificar personalidades desvalorizadas que jamais tiveram valor na historia islâmica. Por outro lado, desvalorizar a posição dos Ahlul Bait (A.S.) e seus seguidores.

-O aumento de impostos sobre a população, para se obtiver a riqueza do governo e do partido Omíada.

Finalmente, no decorrer das épocas, após os martírio do Imame (A.S.) em Karbala, o ritual de visita aos seus santuários passou a ser algo muito comum. Os muçulmanos viajam rumo a visita dos Imames (A.S.), passando por diversas dificuldades e sofrimentos, até chegar ao santuário do Imam(A.S.) a ser visitado, e após isso os muçulmanos retornam para as suas casas tendo renovado o voto de fidelidade ao Imamato. Os visitantes do Imame (A.S.) sempre foram perseguidos e pressionados, especialmente nos governos dos tiranos que odiavam os Imames e seus métodos. Atualmente, os muçulmanos se acostumaram a realizar estas visitas em grupos, através de viagens em conjunto aos santuários dos Imames (A.S.), e no caso do Imam al-Hussein (A.S.), milhões de pessoas realizam estas visitas por ano, nas ocasiões do nascimento do Imam al-Hussein (A.S.), do seu martírio e do quadragésimo dia após o seu martírio, caravanas que vêm de dentro do Iraque ou de fora dele. Na última estatística o número de visitantes A.S.) chegou a ultrapassar aos 20 milhões, e isto demonstra o amor que os muçulmanos sentem pelo seu Imam, o neto do Profeta Mohammad (P.E.C.E) que teve a si e aos seus familiares e companheiros brutalmente e injustamente assassinados em Karbala.

Fechamos a nossa conversa com um pequena parte de Ziyarat Ashura( visitação a Ashura) que diz: “Ó meu senhor! Faça-me honrado ante ti por Hussein (A.S.)nesta vida e na outra, e entre seus próximos.(...) Me afasto de todos aqueles que criaram as bases da opressão e da injustiça contra ti(...)Ó Aba Abdillah, certamente estarei em paz com aqueles que estiverem em paz convosco e estarei em guerra contra quem vos fizer guerra, e serei amigo de vossos amigos e inimigo de vossos inimigos”.

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*