?>

'Somos mais fortes': Irã diz que 'terrorismo econômico' dos EUA falhou completamente

'Somos mais fortes': Irã diz que 'terrorismo econômico' dos EUA falhou completamente

Com a administração de Donald Trump, o Irã foi repetidamente alvo de uma política de "pressão máxima" dos EUA, incluindo a reimposição de sanções canceladas anteriormente, novas barreiras e limitações financeiras.

O chanceler iraniano, Javad Zarif, afirmou durante um discurso nesta quinta-feira (18) que, apesar de todo o esforço de Washington para sabotar o país do Oriente Médio, a nação foi capaz de superar os inúmeros obstáculos.

Zarif observou que, ao longo do ano passado, os iranianos conseguiram demonstrar sua "resistência férrea", lidando com uma série de tensões e sanções reimpostas pela administração Trump.

O diplomata iraniano destacou como o povo iraniano foi capaz de enfrentar o "terrorismo econômico visando nosso acesso a alimentos e remédios", e lidar "com um terrorista estatal dos tempos modernos que assassinou os pioneiros de nossa defesa e avanço científico".

"Tudo isso em meio à pandemia mais mortal vivida pela humanidade em um século [...] Com todos os obstáculos impostos por Washington, não conseguiram 'nos colocar de joelhos'", afirmou Zarif.
"A economia do Irã está se tornando imune à coerção econômica externa e, embora a maior parte da economia mundial tenha sido abalada, saímos oficialmente da recessão, com as empresas inovadoras e a produção industrial liderando nosso crescimento", ressaltou.

"Com a derrota da COVID-19, se Deus quiser, temos a chance de construir um mundo diferente [...] Nós, todos nós, deveríamos aproveitar esta oportunidade e criar um novo dia", afirmou.

Anteriormente, Zarif havia condenado os EUA por sua frequente intromissão nos assuntos do Oriente Médio.

Impasse nuclear
Em 2015, o Irã, China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e União Europeia assinaram o acordo JCPOA, estipulando o cancelamento das sanções internacionais aplicadas a Teerã em troca da redução do programa nuclear iraniano. O acordo foi consagrado na Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU.

Em 2018, o governo de Donald Trump retirou unilateralmente os EUA do acordo, voltando a impor sanções ao Irã, às quais este último respondeu abandonando gradualmente seus próprios compromissos estipulados no acordo.

A Marinha do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica divulgou um vídeo mostrando sua mais nova "cidade de mísseis", um complexo equipado com um grande número de sistemas de lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro de diferentes alcances


As autoridades iranianas expressaram esperança sobre a promessa eleitoral do democrata Joe Biden de fazer os EUA regressarem ao acordo nuclear. Mas, apesar de ter assumido o cargo em 20 de janeiro, o governo Biden não falou ainda em retomar as negociações no âmbito do JCPOA.

Em vez disso, Washington exigiu que Teerã reduzisse drasticamente as atividades de enriquecimento e armazenamento de urânio e cumprisse as obrigações decorrentes do acordo. A República Islâmica rejeitou as exigências, dizendo que os EUA devem suspender as sanções, já que foi o lado americano quem revogou em primeiro lugar seus compromissos estabelecidos no acordo nuclear

308


Envie seu comentário

Seu e-mail não poderá ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *.

*